Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Notícias / Revelações

Diretor de Lendas da Paixão fala sobre Brad Pitt: 'volátil quando irritado'

Em livro de memórias, Edward Zwick disse que o ator ficou 'nervoso' ao ter que 'mostrar emoção profunda' e 'não ficou satisfeito' com a versão final

Brad Pitt em Lendas da Paixão (Imagem: Reprodução)
Brad Pitt em Lendas da Paixão (Imagem: Reprodução)

O cineasta EdwardZwick está falando sobre experiências com grandes nomes de Hollywood em seu livro de memórias Hits, Flops, and Other Illusions: My Fortysomething Years in Hollywood (2024), que será lançado ainda este mês. Em um trecho revelado pela Vanity Fair, as lembranças do diretor sobre os bastidores do filme de faroeste Lendas da Paixão (1994).

As experiências do diretor com o protagonista do filme, Brad Pitt, não foram nada fáceis, segundo conta ao longo das páginas. Ele conta que o papel ficou com Pitt após Tom Cruise desistir de interpretar Tristan Ludlow. "Ele parece tranquilo no início, mas pode ser volátil quando irritado, como fui lembrado mais de uma vez quando as filmagens começaram e avaliamos um ao outro."

+++LEIA MAIS: Donald Glover pediu conselhos a Brad Pitt para fazer Sr. e Sra. Smith

“Às vezes, não importa quão experiente ou sensível você seja como diretor, as coisas simplesmente não estão funcionando”, continua Zwick, observando que Pitt “ficava nervoso sempre que estava prestes a filmar uma cena que exigia que ele demonstrasse profunda emoção”.

“As ideias dele sobre Tristan eram diferentes das minhas”, escreve Zwick. “Brad cresceu com homens que controlavam suas emoções. Eu acreditava que o objetivo do romance era que a vida de um homem era a soma de suas tristezas. […] No entanto, quanto mais eu pressionava Brad para se revelar, mais ele resistia. Então, continuei pressionando e ele recuou.”

+++LEIA MAIS: Brad Pitt irá estrelar The Movie Critic, último filme de Quentin Tarantino

Zwick se lembra de uma tarde no set em que deu instruções a Pitt em voz alta na frente da equipe, o que o diretor admite ter sido “uma provocação estúpida e vergonhosa”. “Brad voltou para mim, também em voz alta, me dizendo para recuar”, escreve. “A medida considerada teria sido dizer à equipe para tirar cinco minutos e nós dois conversarmos sobre o assunto. Mas eu estava me sentindo mal e não estava disposto a ceder. Fiquei com raiva dele por não confiar em mim para influenciar seu desempenho. Também pela relutância que demonstrou após a primeira leitura do roteiro."

"Quem sabe, eu poderia até estar demonstrando minha própria incapacidade de ser vulnerável. Mas Brad não estava disposto a ceder sem lutar. Em sua defesa, eu o pressionei a fazer algo que ele considerava errado para o personagem ou mais emocional do que ele gostaria que aparecesse na tela. Não sei quem gritou primeiro, quem xingou ou quem jogou a primeira cadeira. Talvez eu? Mas quando olhamos para cima, a equipe havia desaparecido. E esta não foi a última vez que isso aconteceu. Eventualmente, a equipe se acostumou com nossas brigas e se afastou e nos deixou resolver o problema. 'Odiamos quando os pais brigam', disse um deles.” 

+++LEIA MAIS: Filho de Brad Pitt diz que pai fazia da vida da família “um inferno constante” em post