Diretor de Logan explica por que matou o Wolverine de Hugh Jackman

James Mangold revelou que até mesmo o estúdio percebeu que seria o momento certo para a morte do personagem

Redação Publicado em 26/05/2020, às 07h53

None
Hugh Jackman como Wolverine (foto: Reprodução/ FOX/ Marvel)

James Mangold, diretor de Logan, revelou por que decidiu matar Wolverine e encerrar a trajetória do mutante nos filmes da Marvel. Em entrevista ao ComicBook.com, o diretor contou que a escolha, na verdade, foi “bem mais simples do que um comitê do que você pensa”.

“Francamente, até o estúdio não ficou nervoso, porque parecia um evento. Isso deu ao filme, em um nível simples, a realidade de que apesar de não ser extravagante ou caro como outros filmes, o longa precisava ser visto porque seria o fim de uma lenda.”

+++ LEIA MAIS: Logan 2: vídeo de fã mostra o retorno do Wolverine que queríamos que fosse verdade

Mangold também disse que a decisão pareceu ser lógica, afinal seria o último filme deHugh Jackman como Wolverine e precisava estar no nível das outras performances dele ao longo da carreira.

“Era realmente Hugh e eu no primeiro momento. Pareceu lógico que, se fosse o último filme dele, ele teria que dirigir até o horizonte ou morrer. Você precisa ter algum tipo de encerramento para a história dele. É uma suposição lógica, certo?”

+++LEIA MAIS: A vez em que o Wolverine e o Lobo se enfrentaram numa luta feroz nas HQ: quem ganhou?

Ele completou: “Mas a razão para a escolha estar aos nossos pés foi porque você precisava de senso de encerramento. Você precisa de algum senso de término se você ia terminar, se você estava lidando com o legado das diversas performances e filmes de Hugh e tentando definir essa parte em algum jeito definitivo”. 

Em 2017, Logan retratou a última aventura do icônico personagem dos X-Men. Wolverine ajuda a salvar uma jovem mutante, X-23, e um grupo de crianças que foi sequestrado e usado para experimentos científicos. Após fugas, lutas e muito cansaço, o herói finalmente encontra o fim dele. 


+++ VITOR KLEY | A TAL CANÇÃO PRA LUA | SESSION ROLLING STONE