Discografia da Legião Urbana será relançada

Na próxima segunda, 25, os oito discos da carreira da banda retornam às lojas em três formatos

Da redação Publicado em 23/10/2010, às 13h41

O líder da Legião Urbana Renato Russo, morto em 1996

Ver Galeria
(2 imagens)

Os fãs da Legião Urbana poderão completar suas coleções de trabalhos do grupo liderado por Renato Russo a partir da próxima segunda, 25, quando chega às lojas o relançamento especial da discografia da banda.

Os oito álbuns de estúdio lançados pela Legião serão vendidos de três formatos diferentes: embalagem digipak individual, com versões remasterizadas nos estúdios Abbey Road de Legião Urbana (1984), Dois (1986), Que País é este (1987), As Quatro Estações (1989), V (1991), Descobrimento do Brasil (1993), A Tempestade (1996) e Uma Outra Estação (1997). Tudo vem reeditado com os encartes originais, além de dezenas de fotos inéditas e textos exclusivos. Cada álbum será vendido separadamente com o preço sugerido de R$29,90.

Quem quiser adquirir todos ao mesmo tempo pode comprar a caixa de luxo com os oito álbuns, mas terá que correr, pois serão colocadas à venda apenas duas mil unidades, a R$350 (preço sugerido).

Seguindo a tendência internacional de relançamentos em vinil, os álbuns A Tempestade e Uma Outra Estação, que foram editados originalmente em CD, foram adaptados ao formato. Os discos anteriores, que na época já saíram em vinil, serão editados novamente desta forma, mas trazendo capas duplas, fotos e textos inéditos. Os preços variam entre R$120 e R$190.

Os ex-integrantes do grupo ficaram entusiasmados com as novidades. Em comunicado oficial, Dado Villa Lobos comentou que "é a volta do que nunca deveria ter ido, só que agora em grande estilo. As edições têm fotos extraordinárias, que trazem grandes lembranças e colocam a banda em seu devido lugar".

"Sem desmerecer a revolução que a tecnologia digital vem causando na maneira de se lidar com a música, acho que muita gente ficará feliz se puder simplesmente ouvir um disco em sua vitrola", afirmou Marcelo Bonfá a respeito dos vinis.