Disney é acusada de encobrir assédio sexual no set de Criminal Minds durante 14 anos

De acordo com o processo, diversos executivos sabiam do caso - mas não fizeram nada

Redação Publicado em 26/05/2020, às 17h35

None
Criminal Minds (Foto: Divulgação / CBS)

Depois de mais de 14 anos no ar e poucos meses depois da conclusão, Criminal Minds teve diversos problemas expostos. De acordo com Deadline, o Departamento do Trabalho e Habitação da Califórnia apresentou um processo contra executivos da Disney, CBS e Pretorian por encobrir abuso sexual e discriminação.

De acordo com a organização, o diretor de fotografia Gregory St. Johns, responsável pela produção conjunta de Criminal Minds entre a Disney e ABC-CBS, passou 14 anos “envolvido em abuso sexual, discriminação e retaliação contra pessoas trabalhando nos sets do programa, incluindo, mas não limitando-se a, pessoas da equipe de produção,” afirma o documento apresentado à Suprema Corte de LA.

+++ LEIA MAIS: 'Não transo com judiais e asiáticas,' disse Harvey Weinstein antes de abusar de assistente chinesa

O relato ainda afirma como “a conduta de St. Johns era desenfreada, frequente, e escancarada,” o que ajudou a criar um “ambiente de trabalho intimidador, hostil e ofensivo” no set de Criminal Minds. No documento, há relatos de que diversas pessoas da equipe de produção sabiam do caso e acobertavam.

Algumas das pessoas citadas por nome e acusadas de “proteger” o suposto abusador estão Erica Messer, showrunner; Harry Bring e John Breen Frazier, produtores executivos; o diretor Glenn Kershaw e Stacey Beneville, assistente de produção.

+++ LEIA MAIS: 13 atores e cineastas 'queridos' acusados de assédio e abuso sexual: De Ben Affleck a Morgan Freeman [LISTA]

 “Eles não só tinham conhecimento, mas permitiam [a conduta abusiva],” acusa o documento. “Não tomaram medidas para prevenir abuso sexual e discriminação, nem tomaram medidas corretivas. No lugar disso, os executivos demitiam qualquer um que resistisse ou tacitamente evadisse os avanços e abusos.

O Deadline procurou a CBS, aDisneye os estúdios ABC, mas nenhum deles quis comentar sobre o processo.