Dolittle: filme com Robert Downey Jr. é inspirado em livro de 1920 originalmente racista; entenda

A produção dirigida por Stephen Gaghan estreia nesta quinta, 16, nos cinemas brasileiros

Redação Publicado em 16/01/2020, às 15h40

None
Robert Downey Jr. (Foto: Reprodução)

Na última década, a Disney se empenhou em fazer várias sequências e live-actions de filmes clássicos. Mas agora, a tentativa mais recente do estúdio é o sucesso de bilheteria Dolittle, estrelado por Robert Downey Jr. como Dr. Dolittle

No entanto, embora os trailers do filmes pareçam ser inofensivos, os espectadores podem se surpreender ao descobrir que o personagem tem origens racistas. 

+++ LEIA MAIS: Dolittle, filme de Robert Downey Jr. depois de Vingadores, é massacrado: ‘Estranho’, ‘patético’ e ‘anti-cinema’

Segundo a Encyclopedia Britannica, a série Dolittle começou há um século, quando Hugh Lofting, autor britânico, publicou a história em 1920. O livro foi um sucesso e teve várias sequências publicadas ao longo de 28 anos.

A mais popular delas é a de 1922, The Voyages of Dr. Dolittle, que ganhou uma prestigiosa Medalha Newbery. De acordo com o Cinema Blend, foi essa versão que serviu de base para o Dolittle de Robert Downey Jr. 

+++ LEIA MAIS: Morte de Tony Stark em Vingadores: Ultimato quase foi muito mais nojenta e violenta; entenda

No entanto, o conteúdo do livro é bastante racista. O retrato do príncipe Bumpo, um príncipe negro, por exemplo, é particularmente perturbador. 

De acordo a revista Washingtonian, The Story of Dr. Dolittle possui uma cena em que o príncipe expressa o desejo de se tornar branco. O New York Times acrescenta que Bumpo queria ficar branco para que a Bela Adormecida, a amada princesa dos contos de fadas, estivesse disposta a se casar com ele. Dolittle reluta mas acaba ajudando Bumpo a mudar a cor da própria pele. 

Tendo isso em vista, essa história se torna totalmente repugnante. Até os editores dos livros de Dolittle sabem o quanto os livros envelheceram mal em relação as questões raciais. Em um artigo do The New York Times, o jornal relata uma reedição dos anos 1980 dos livros que removeu as ilustrações ofensivas aos personagens e a cena de branqueamento de pele mencionada acima. Caso você esteja familiarizado com os livros, há uma boa chance de ter sido exposto a essas edições e não às originais. 

+++ LEIA MAIS: BAFTA evidencia falta de diversidade no cinema; 18 atores indicados são brancos e nenhuma diretora foi escalada

Porém, a história desconfortável não diminuiu a popularidade do personagem. Segundo o AllMovie relata, há uma reviravolta dramática quando Eddie Murphy assumiu o papel do médico no filme de 1998. Ao contrário das histórias anteriores, esta versão foi ambientada nos tempos contemporâneos e deixou de lado a bagagem racista da série original.

Dolittle estreou nesta quinta, 16, nos cinemas brasileiros. 


+++ CORUJA BC1: 'FAÇO MÚSICA PARA SER ATEMPORAL E MATAR A MINHA PRÓPRIA MORTE'