Dossiê Quase Famosos: O saudosismo da cena rock dos anos 1970

A produção clássica de Cameron Crowe comemora 20 anos de lançamento em 2020

Malu Rodrigues Publicado em 11/08/2020, às 07h00

None
Quase Famosos (Foto: Divulgação/DreamWorks)

2020 marca o aniversário de 20 anos do filme Quase Famosos. Dirigido por Cameron Crowe, o longa se tornou um clássico pelo retrato encantado da cena musical dos anos 1970.

Ao longo de quase 3 horas, acompanhamos a história do jovem William Miller (interpretado por Patrick Fugit). Aos 15 anos e apaixonado pelo rock, ele começou a escrever para a Rolling Stone EUA ao cobrir a turnê da banda - fictícia - Stillwater

+++ LEIA MAIS: 9 discos para entender o metal que completam 50 anos em 2020: Led Zeppelin, Black Sabbath e mais

A produção é uma obra semi-biográfica do próprio Crowe, que também escreveu para a revista norte-americana quando adolescente. Na vida real, o escritor viajou com grupos como Poco, Allman Brothers Band, Led Zeppelin, Eagles e Lynyrd Skynyrd. O filme, então, traz as experiências de Crowe, mas dessa vez vividas por William. Com uma visão mais idealizada, o espectador é transportado para a década de 1970, vive todo o roteiro e roda pelo país como se estivesse no ônibus azul. É uma experiência única de aventura e romance com o rock and roll.

"As coisas pelas quais William Miller passa se conectam com pessoas que estavam interessadas em jornalismo; pessoas que se apaixonaram; pessoas que eram fãs genuínas de alguma coisa. Claro, há lados sombrios em todas essas coisas, mas Cameron é um observador obstinado do romântico. Esse coração, esse romantismo, esse otimismo permeia Quase Famosos", comentou Fugit à Independent UK.

+++LEIA MAIS: Black Sabbath arrebentou tudo em lendário programa de TV britânico em 1970; assista

A produção é integrada no gênero comédia dramática e, como o crítico Robert Ebert descreveu, é um filme “engraçado e comovente de tantas maneiras diferentes”. O público se diverte com as aventuras psicodélicas, ao mesmo tempo que se encanta pelas personalidades únicas e detalhes íntimos dos protagonistas.

Os personagens são charmosos, divertidos e respiram a história de forma orgânica. Como aparece na mensagem do bolo de Penny Lane, “você é inesquecível”, todas as personalidades da produção são escritas para serem emocionantes. Ninguém é esquecido em Quase Famosos.

+++ LEIA MAIS: As 5 melhores músicas de abertura de disco do hard rock: de Metallica a Guns N’ Roses

No entanto, como vários filmes ‘cult’, falhou na bilheteria. Com um orçamento de US$ 60 milhões, a produção conquistou apenas US$ 47.7 milhões. Ela só encontrou um público fiel depois do lançamento de dois DVDs em 2001.

Apesar disso, se consagrou nas grandes premiações. No Oscar,  o longa foi indicado em três categorias e ganhou como Melhor Roteiro Original. No Globo de Ouro, também teve três indicações e levou para casa o prêmio de Melhor Filme de Comédia ou Musical.

Sites de críticas especializados também apresentam a qualidade do filme. No Rotten Tomatoes, tem 89% de aprovação; no Metacritic, recebeu 90%, o que indica uma "aclamação universal".


Reunião do elenco em comemoração

Para homenagear os 20 anos do lançamento do filme Quase Famosos, o jornalista James Andrew Miller entrevistou o elenco e a equipe do clássico para o podcast de história oral, Origins.

Para o projeto, Miller reuniu o diretor Cameron Crowe, além das estrelas Kate Hudson, Billy Crudup, Frances McDormand, Jason Lee, Patrick Fugit, Zooey Deschanel, Jimmy Fallon e Peter Frampton. Os atores comentaram sobre os bastidores da produção, bem como o processo de realização do longa.

+++ LEIA MAIS: Elenco de Quase Famosos se reúne em podcast para relembrar as gravações do filme

“Se eu pudesse contar uma história sobre a descoberta da música, a maneira como a música pode mudar sua vida e sua família e não necessariamente ser só sobre sexo e drogas - todos os aspectos facilmente estereotipados do rock - se você pudesse contar uma história de amor sobre música nesse tom, bem, essa seria a maneira de contar essa história”, disse Crowe (via Dazeddigital)

No encontro, o diretor revelou como Brad Pitt quase interpretou o guitarrista Russell Hammond. “Eu ia para a casa dele, líamos tudo. Nós gostamos muito de música e tudo mais. Ele estava lentamente assumindo a personalidade [de Russell]”, enfatizou. No entanto, o ator saiu do projeto e o papel ficou com o fantástico Billy Crudup. O próprio Camaleão, David Bowie, também aparecia no longa, mas a ideia não vingou no roteiro.

+++ LEIA MAIS: Que ano! Os 20 melhores discos de 1972 segundo site, de Black Sabbath a David Bowie

A equipe também lembrou sobre outras audições. Hudson, na verdade, em vez de dar vida à Penny Lane, seria a irmã de William, Anitta. No entanto, quando Sarah Polley, que era contratada para ser a jovem de espírito livre, foi por outro caminho, Kate insistiu para fazer uma audição.

“Eu fiz um teste de tela com Kate como Penny Lane, e não era o tipo místico de Penny Lane que eu estava trabalhando com Sarah Polley”, disse Crowe. “Aqui estava alguém que simplesmente entrava na sala e você dizia, ‘Eu a amo!’. Ela era aquela personagem.”

Enquanto a atriz pediu para fazer a audição, Philip Seymour Hoffman se recusou a ler para o papel de Lester Bangs (crítico que realmente existiu e foi o mentor do jornalista adolescente), segundo o diretor de elenco Gail Levin. Em vez de seguir as linhas do roteiro, o artista simplesmente começou a fazer uma análise de uma publicidade que vira a caminho do estúdio.

+++Leia mais: David Gilmour relembra da única vez em que viu o Pink Floyd tocar ao vivo: "Eu estava muito chateado"

Levin explica: "Isso mostra o quão inteligente esse ator era: ele veio e criou esse tipo de improvisação que estava canalizando aquele personagem e criou uma falsa audição sem realmente fazer o teste, e isso foi, para mim, incrível".

Originalmente, o filme seria chamado Untitled(Sem Título, em tradução livre), em referência ao quarto disco do Led Zeppelin. "Gostei da ideia de que haveria uma referência musical a cada passo", falou Crowe. Apesar disso, como relembra o Dazeddigital, o estúdio não aceitou o nome inicial - e, enfim, chegaram a Quase Famosos. Inclusive,Jimmy Page e Robert Plantdeixaram o diretor usar a música deles no filme depois de assistirem um corte do longa.

Em uma das conversas, Kate Hudson comentou sobre a produção: "Provavelmente não passo uma semana sem que alguém me diga o que Penny Lane é para eles, o que Quase Famosos é para eles".

+++ LEIA MAIS: Como seriam as músicas de heavy metal sem distorção na guitarra? Spoiler: bem sem graça; assista

A artista continuou e disse como o filme impactou a vida dela: "Olho para trás e, enquanto estou sentada no consultório do meu terapeuta, vou: 'Eu apenas - estou me sentindo - tenho quarenta anos, e eu só quero - eu apenas'; E meu terapeuta diz: 'Você quer voltar no ônibus com Stillwater?'. E eu fiquei tipo 'Sim! Eu quero voltar no ônibus! Eu quero voltar no ônibus! Você está certo, é exatamente isso que eu quero'”.

Os cinco episódios do podcast estão disponíveis em alguns aplicativos de streaming.


Trilha Sonora

No começo do filme, o jovem William descobre uma bolsa repleta de discos icônicos deixados pela irmã. Nesse momento, a criança entra em uma fase de descobrimentos musicais e submerge no mundo do rock do final dos anos 1960 e início dos 1970. A frase, “a música escolhe você”, dita por Lester Bangs (no caso, Philip Seymour Hoffman) deu um sentido a mais para a trama.

Quase Famosos ainda mostra o encontro entre o cinema e a música. Mesmo não sendo um musical, a produção traz momentos clássicos com o uso de faixas incríveis. Na cena em que os personagens cantam “Tiny Dancer” no ônibus indo para a próxima cidade da turnê, a música de Elton John  constrói um cenário de união entre todos os personagens.

+++ LEIA MAIS: Curtindo a Vida Adoidado e mais: as 6 cenas musicais mais memoráveis de filmes não-musicais

Eles se encontram na canção. A fala “Você está em casa” da personagem de Kate Hudson durante a cena apenas traz mais magia. No exato instante, o jovem tem a mesma realização de como fosse aquela criança de 11 anos ouvindo discos de rock pela primeira vez.

O som da produção reflete de forma potente a trama caótica. Pela trilha, o disco do longa ganhou o Grammy de 2001 de Melhor Álbum de Compilação de Trilha Sonora para um Filme, Televisão ou Outra Mídia Visual.

Os próprios atores performaram as músicas da banda fictícia Stillwater. Jason Lee (Jeff Bebe) ficou nos vocais, Billy Crudup (Russell Hammond) na guitarra, John Fedevich (Ed Vallencourt) na bateria e Mark Kozelek (Larry Fellows) no baixo. As canções do grupo foram escritas pelo próprio Crowe, Nancy Wilson - do Heart - e Peter Frampton, enquanto Mike McCready - do Pearl Jam - ajudou nos riffs.

+++ LEIA MAIS: Guardiões da Galáxia, Top Gun e mais: as 10 melhores trilhas sonoras da história, segundo o público

Nos 50 anos de comemoração da origem do heavy metal, Quase Famosos se revela como uma carta de amor e uma mensagem saudosista à década da reinvenção musical. Em entrevista à Paste (via Mentalfloss), Cameron Crowe enfatizou: "É disso que eu penso que se trata Quase Famosos - é sobre ter sua cabeça estourada por uma música, e o resto é secundário”.

Confira a trilha sonora completa do disco do filme:

"America" - Simon & Garfunkel 
"Sparks" - The Who 
"It Wouldn't Have Made Any Difference" - Todd Rundgren 
"I've Seen All Good People: Your Move" - Yes 
"Feel Flows" - The Beach Boys 
"Fever Dog" - Stillwater 
"Every Picture Tells a Story" - Rod Stewart
"Mr. Farmer" - The Seeds 
"One Way Out (Live)" - The Allman Brothers Band 
"Simple Man" - Lynyrd Skynyrd 
"That's the Way" - Led Zeppelin
"Tiny Dancer" - Elton John 
"Lucky Trumble" - Nancy Wilson
"I'm Waiting for the Man" - David Bowie 
"The Wind" - Cat Stevens
"Slip Away" - Clarence Carter 
"Something in the Air" - Thunderclap Newman

Ouça todas as músicas aqui


+++RAP, FUNK E PAGODE NA ENTREVISTA COM OROCHI: 'SOU ESSA MISTURA LOUCA' 


+++ PLAYLIST COM CLÁSSICOS DO ROCK PARA QUEM AMA TRILHAS SOBRE DUAS RODAS