Dylan de graça foi alarde

"Se tivéssemos cerca de 15 dias, seria viável", admite prefeitura, que não chegou a oferecer cachê

Por Bruna Veloso Publicado em 05/03/2008, às 11h25 - Atualizado às 12h01

Dylan de graça exigiria cerca de duas semanas de organização
AP

O processo de viabilização de um show gratuito de Bob Dylan em SP, que começou na sexta-feira passada, às 18h, com um telefonema da prefeitura feito à produtora do cantor, Mondo Entretenimento, não se concretizou.

A prefeitura, que fez ontem o anúncio à imprensa, alega hoje que seriam necessários 15 dias para viabilizar o evento. Dylan toca no Chile em 11 de março, em menos de uma semana.

Ainda conforme apurou este site ontem, terça-feira, a prefeitura de São Paulo não chegou a apresentar proposta financeira formal ao artista em nenhum momento da negociação. (Mais, aqui)

Nesta manhã, a Mondo enviou uma mensagem à São Paulo Turismo (SPTuris) agradecendo o convite e afirmando que não há tempo suficiente para organizar o show, que, conforme especulado, aconteceria no domingo, dia 9.

Segundo Ana Paula Dutra, assessora da SPTuris, a proposta oficial do município não aconteceu por falta de verba - e tempo. "Ainda não tínhamos resposta concreta dos patrocinadores". Para viabilizar o show, possíveis patrocinadores teriam de gastar entre R$1,5 milhão e R$2 milhões. "Eles também acharam que o tempo era muito curto", alegou a assessora, que reestima hoje o tamanho do evento: "Se tivéssemos algo em torno de 15 dias, seria viável".

Bob Dylan inicia hoje, em SP, sua turnê brasileira. Os shows acontecem nesta quarta e quinta (5 e 6), no Via Funchal, com ingressos entre R$250 (esgotados) e R$900 (área VIP). No dia 8 é vez do Rio. A apresentação no Rio Arena tem ingressos de R$150 a R$360.