Pulse

E3 2014: Mortal Kombat X, Batman: Arkham Knight e o que vimos de mais legal no quarto dia

Gus Lanzetta, de Los Angeles Publicado em 13/06/2014, às 17h05 - Atualizado às 18h01

O game Batman: Arkham Knight será lançado em 2015 para PC, PlayStation 4, Xbox One.
Divulgação

No quarto dia de E3, jogamos mais alguns dos games apresentados no evento. Veja abaixo os destaques.

Mortal Kombat X (NetherRealm) PC/PS3/PS4/360/XONE

Continuação do aclamado Mortal Kombat de 2011, o novo jogo irá contar uma história que passa por vários períodos, começando imediatamente depois do fim de MK e chegando até 25 anos após os eventos do jogo anterior. Por causa disso, teremos personagens de diferentes gerações disponíveis: o primeiro a ser revelado foi Cassie Cage, filha de Johnny Cage e Sonya Blade, personagens clássicos da série. Cassie puxou aos pais e tem golpes de ambos seus progenitores.

Os controles continuam os mesmos, você só terá que se acostumar aos novos personagens e novos poderes dos velhos conhecidos. Isso porque agora todo lutador tem três “variantes”, que adicionam poderes especiais ou alteram algumas habilidades e golpes, assim adicionando mais possibilidades e diminuindo a previsibilidade das lutas.

Detalhes cosméticos também evoluíram bastante, por exemplo: não só a areia e sujeira do cenário grudam na roupa dos personagens, como o sangue também, e ele faz isso de maneiras diferentes, dependendo do material da vestimenta. Além disso, agora os machucados adquiridos durante a luta correspondem diretamente a golpes recebidos, sejam eles cortes, queimaduras, furos ou hematomas. No mais, os famosos "fatalities" também ganham mais gore, já que as entranhas dos personagens foram todas modeladas e podem ser fatiadas e esburacadas em diversos pontos. Com essa tecnologia, a NetherRealm está criando o Mortal Kombat mais sangrento de todos.

Batman: Arkham Knight (Rocksteady) PC/PS4/XONE

Responsável por Batman: Arkham Asylum e Arkham City, o estúdio Rocksteady está trabalhando em mais uma aventura do justiceiro mascarado. A história terá alguma nova desculpa para sitiar Gotham e transformá-la emum playground de dar porrada em capangas desmiolados. Não foi possível explorar a cidade e ver se algo foi feito para evitar a sensação de um mundo plástico e artificial, então o que fica é a esperança.

O que estava disponível era o Batmóvel, que aparece na série Arkham pela primeira vez. Com modos de controle distintos para batalha e exploração, é muito divertido "brincar de carrinho" no jogo que, inclusive, compete com Speed Racer no quesito quem tem mais brinquedos escondidos.

Batman não fica atrás, ganhou novos truques que tornam as lutas mais variadas e cheias de surpresas. O timing ainda é essencial para descer a porrada nos bandidos que lhe cercam, mas agora você pode pegar as armas brancas que são usadas contra você. Também é possível usar o Batmóvel e elementos do cenário para causar desmaios (o Batman nunca mata) nos seus inimigos.

E para honrar o vilão de destaque, o Espantalho, existem os novos "fear takedowns", que consistem de chegar de surpresa para derrubar um inimigo e usar o susto dessa repentina aparição brutal do Batman como oportunidade para derrubar mais dois oponentes automaticamente.

Rainbow Six: Siege (Ubisoft Montreal) PC/PS4/XONE

Depois de anunciar Rainbow Six: Patriots em 2011, a Ubisoft nunca mais mostrou nada da série e Patriots foi silenciosamente cancelado. Das suas cinzas surgiu Siege, anunciado em 2014 com lançamento previsto para 2015.

O jogo volta às raízes da série Rainbow Six e foca na cooperação de um time de quatro jogadores para invadir uma área e extrair um objetivo. A reviravolta de Siege é que o foco é o multiplayer, então o cenário que pudemos testar envolvia dois times de jogadores: um tinha que defender uma mansão prestes a ser invadida e evitar que sejam feitos reféns. O outro time tinha que invadir a mansão e fugir com um refém. Na mudança de rounds, os lados mudavam e era possível escolher diferentes pontos do mapa para começar. Nenhum dos rounds foi parecido e, mesmo podendo ver somente essa missão, deu para sentir que teremos muitas estratégias válidas diferentes para cada missão.

Dying Light (Techland Sp. z o.o.) PC/PS3/PS4/360/XONE

Enquanto a EA pensa no que fazer com a continuação do seu jogo de parkour, Mirror’s Edge, e a Deepsilver aposta em diversão com zumbis em Dead Island 2, a Techland (criadora do primeiro Dead Island) decidiu juntar o tal free running com zumbis.

Você corre por barracos e por lugares que lembram a Turquia para fugir de zumbis, juntar itens, recursos e também ajudar outros sobreviventes. O combate é todo em primeira pessoa, mas foca em armas brancas, já que munição é escassa e o barulho dos tiros atrai mais zumbis.

Conforme suas habilidades de escalar o ambiente melhoram, atravessar grandes distâncias fica mais divertido. O mesmo vale para o combate. Não só você fica mais rápido e forte, como vai ganhando a habilidade de criar novas armas, como uma faca que bota fogo em quem você esfaqueia ou um machado que solta eletricidade.

The Order: 1886 (Ready at Dawn) PS4

The Order chamou atenção na coletiva da Sony com seus visuais fotorrealistas que reproduzem o visual da era vitoriana de maneira inédita.

Infelizmente nada na demonstração disponível na E3 chamou mais atenção do que o visual. O breve tiroteio do qual participamos só contava com duas armas: uma pistola que parecia fazer cócegas nos inimigos e um lançador de térmite que põe fogo nos inimigos, mas é bem lento. Lenta também é a movimentação pelo cenário.

Não havia nenhuma cena de exploração mais calma ou com um lobisomem, como o que foi mostrado na última segunda, 9, pela Sony. Essas parecem ser as partes mais interessantes do jogo.