“Eles vão ter que comprar minha parte na empresa”, diz Scott Weiland sobre o Stone Temple Pilots

Weiland foi processado por sua ex-banda em maio por usar o nome do STP

Rolling Stone EUA Publicado em 25/08/2013, às 13h17

Scott Weiland
AP

O drama legal entre Scott Weiland e sua ex-banda, o Stone Temple Pilots, continua fervendo.

Você sabia que “Plush”, do Stone Temple Pilots, foi lançada há 20 anos? Veja uma lista de 20 faixas que, acredite ou não, completaram duas décadas de existência em 2013.

Weiland foi demitido do STP, sendo que seus ex-companheiros de grupo afirmavam que o cantor continuava em sua luta contra o vício em drogas e estava sempre atrasado para os compromissos. O STP, então, entrou com um processo contra Weiland porque ele apresentou material da banda durante seus shows solo e usou o nome do grupo para promover sua carreira. As coisas pioraram ainda mais quando Weiland rebateu na justiça com uma ação na qual afirma que o processo original não tinha cabimento, já que ele fundou e batizou a banda (além de ter colaborado na composição de muito do material do grupo).

Agora, de acordo com o Blabbermouth, Weiland finalmente se manifestou a respeito dos detalhes judiciais envolvidos enquanto dava uma entrevista para a rádio da Flórida The Gater. Ele declarou que o processo original é “ridículo”.

"Há um acordo na banda e eles não seguiram as regras que foram combinadas... Precisa haver um motivo para se demitir um membro, você precisa dar a ele um certo tempo para que ele lide com seja lá o que você está pedindo”, afirmou. "Eles vão ter que comprar minha parte na empresa”, disse, apontamento seu próprio "grande valor na empresa e na marca".

O Stone Temple Pilots seguiu carreira com um novo vocalista, Chester Bennington, do Linkin Park, algo que foi mal visto por alguns fãs de Weiland. Eles irão lançar um novo EP com Bennington e começarão uma nova turnê em 4 de setembro.