Eloy Casagrande fala sobre o período de adaptação no Sepultura

"Talvez até por causa da minha idade role um preconceito, mas eu acho que tem que mostrar o trabalho no palco", diz o baterista

Lucas Reginato, de Brasília Publicado em 11/09/2012, às 11h17 - Atualizado às 11h22

Sepultura
Foto: Divulgação/Site Oficial

Anunciado no final do ano passado como novo baterista do Sepultura, Eloy Casagrande (na foto, à esquerda) tem convencido os fãs da banda a cada apresentação de que, mesmo que tenha apenas 21 anos, é um baterista à altura para assumir as baquetas de um dos maiores grupos de metal do mundo. Durante sua passagem pelo festival Porão do Rock, ele comentou sobre sua adaptação e as dificuldades deste processo.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

“No começo rola aquela dúvida, né? Fã de metal é muito chato e talvez até por causa da minha idade role um preconceito, mas eu acho que tem que mostrar o trabalho no palco”, conta o baterista, que entrou para substituir Jean Dolabella.

Ele garante, no entanto, que qualquer dificuldade na relação com os fãs foi superada pelo companheirismo dos demais integrantes. “Eu fui recebido muito bem pelo pessoal da banda e por toda a equipe”, conta Casagrande, que deve em breve poder também apresentar seu trabalho em estúdio, como revela o vocalista Derrick Green. “Estamos compondo músicas novas durante a turnê e com certeza vamos mostrar música de verdade, agora com a energia nova do Eloy.”