Pulse

Elton John convoca boicote à Dolce & Gabbana após comentários sobre fertilização in vitro

“São crianças sintéticas”, disse Domenico Gabbana sobre pessoas geradas por esse tipo de técnica

Redação Publicado em 16/03/2015, às 11h45 - Atualizado às 12h42

Cantor britânico durante show em fevereiro deste ano, nos Estados Unidos
Owen Sweeney/AP

O ícone da música britânica Elton John iniciou neste domingo, 15, pelo Instagram, uma campanha de boicote à Dolce & Gabbana depois de um dos fundadores da marca de moda ter feito comentários controversos a respeito da fertilização in vitro.

Edição 54 (capa) – Elton John: entrevista Rolling Stone.

Elton John tem dois filhos gerados a partir da técnica, que consiste em fecundar um óvulo externamente para posteriormente transferi-lo para o útero materno, gerando os chamados “bebês de proveta”.

Elton John condena homofobia na Rússia: “Não é propaganda gay. É como eu expresso a vida”.

À revista italiana Panorama, Domenico Gabbana afirmou: “Não estou convencido por essas que chamo de crianças da química, crianças sintéticas. Úteros de aluguel, esperma escolhido em um catálogo... Os psiquiatras não estão prontos para confrontar os efeitos dessa experimentação”.

Elton John e Eminem fizeram um dos dez grandes shows da história do Grammy.

Pelo Instagram, o cantor respondeu, nesse domingo, 15, escrevendo, “Com que direito você se refere aos meus belos filhos como ‘sintéticos’. E que vergonha de você colocando seus dedinhos cheios de julgamentos na fertilização in vitro – um milagre que permitiu a legiões de pessoas amorosas, gays ou heterossexuais, realizar o sonho de ter um filho. Esse pensamento arcaico está fora de compasso com o tempo, assim como a sua moda. Eu nunca mais vestirei Dolce & Gabbana. #BoycottDolceGabbana”.

John logo ganhou o apoio de grupos de defesa dos direitos LGBT, como o Stonewall, além de celebridades, caso da modelo Victoria Beckham, que pelo Twitter enviou mensagem de apoio aos filhos do músico.

Ainda no domingo, Domenico Gabbana se defendeu: “Nós acreditamos firmemente na democracia e no princípio fundamental da liberdade de expressão que a suporta”.

Stefano Dolce completou alegando, “Sou siciliano e cresci em uma família tradicional, formada por uma mãe, um pai e crianças. Estou bem a par do fato de que existem outros tipos de família que são tão legítimos quanto a que eu tive. Mas na minha experiência pessoal, a família tem uma configuração diferente. Esse é o lugar no qual eu aprendi os valores do amor e da família.”