Elton John e Dr. Dre comandarão programas de rádio na Beats 1, da Apple Music

Pharrell Williams, Drake, St. Vincent e outros também terão os próprios horários no serviço de streaming

Rolling Stone EUA Publicado em 25/06/2015, às 17h53 - Atualizado às 19h00

Cantor britânico durante show em fevereiro deste ano, nos Estados Unidos

Ver Galeria
(4 imagens)

Quando a Beats 1 Radio for lançada, na semana que vem, como parte da Apple Music, ela terá programas de artistas como Dr. Dre e Elton John. A produção do rapper será chamada de The Pharmacy enquanto John irá comandar Elton John's Rocket Hour, segundo o New York Times.

Saiba quem são as cinco pessoas mais poderosas no mundo do streaming musical.

Entre os outros artistas e celebridades que terão os próprios programas de rádio de uma ou duas horas estão Pharrell Williams, Drake, St. Vincent, o líder do Queens of the Stone Age Josh Homme, Disclosure e Jaden Smith. O DJ da BBC Zane Lowe irá liderar o conteúdo ao lado de Ebro Darden, da rádio nova-iorquina Hot 97, e de Julie Adenuga, de Londres.

“Zane é um entusiasta genuíno, isso não é algo falso”, John disse ao jornal. “Ele é um fã, e um fã que tem a oportunidade de ter uma posição no mundo trabalhando para outras pessoas. Ele genuinamente ama música, e esse é meu tipo de cara.”

Apple Music aposta "em rede social das celebridades"; fique por dentro do novo serviço de streaming.

O jornal informa que a ideia para a Beats 1 Radio veio do líder do Nine Inch Nails, Trent Reznor, que anteriormente foi chefe criativo da Beats e continua servindo como designer na Apple Music.

Depois de ficar desiludido com a maneira como a música digital fez com que “tudo ficasse tão dividido em nichos” quando se trata de playlists, ouvir a maneira que Lowe trabalha na BBC inspirou o cantor a questionar o papel da rádio na descoberta da música. “Fico pensando se no mundo atual ainda há lugar para a monocultura”, disse Reznor ao Times. “Aquilo ainda pode existir?”

Dez maneiras inusitadas de se lançar um disco.

Nesta quinta, 25, a cantora Taylor Swift decidiu colocar o álbum dela 1989 para streaming na Apple Music após uma curta, porém efetiva, discussão pública com a gigante empresa de tecnologia sobre um pagamento justo aos artistas.

Taylor promoveu a mudança na Apple com uma postagem no Tumblr vastamente divulgada, na qual ela critica a decisão da Apple de não pagar todos os direitos autorais a artistas e músicos durante o período experimental gratuito de três meses do serviço. À época, ela disse que deixaria 1989 fora da Apple Music, assim como fez com outros serviços de streaming.

Fotógrafo acusa Taylor Swift de não pagar direitos.

Por mais que Taylor – segundo ela mesma – não fosse afetada pela falta de pagamento de direitos, “isto se trata dos novos artistas ou bandas que acabaram de lançar o primeiro single e não serão pagos pelo sucesso deles”, conforme escreveu a cantora.

Menos de um dia depois da carta abeta aberta de Taylor, a Apple reverteu sua decisão, com o vice-presidente sênior Eddy Cue tuitando: “Nós os ouvimos @taylorswift13 e artistas independentes. Com amor, Apple”. Na última quarta, 24, o grupo Beggars, outros selos independentes e a organização de direitos digitais Merlin Network finalmente concordaram com os termos da Apple.

“Isto é muito simples — se os artistas acreditam que não estamos pagando, porque não estamos pagando por isso diretamente, e havia uma maneira indireta que negociamos, e aquilo não funciona, então queremos consertar”, disse Cue à Rolling Stone EUA. “Queremos que isso seja a coisa certa para os artistas.”