Em Lupin, Omar Sy transborda admiração pelo ladrão de casaca: 'Personagem perfeito para um ator' [ENTREVISTA]

Em entrevista, o ator falou sobre a identificação com o protagonista Assane Diope e as novidades para a Parte 2 da série, que estreou em 11 de junho na Netflix

Redação Publicado em 19/06/2021, às 16h00

None
Omar Sy em Lupin (Foto: Divulgação/Netflix/Emmanuel Guimier)

Finalmente, a parte 2 de Lupin estreou na Netflix em 11 de junho para a alegria de um grande público. Inspirada nas obras sobre do ladrão de casaca Arsène Lupin, a série envolvente acompanha Assane Diop em busca de vingança - e a atuação de Omar Sy é, certamente, o que dá o tom à obra.

O ator francês tem potência, e consegue transmitir a atmosfera de um “ladrão gentil” extremamente esperto e, em simultâneo, um galã. Isso porque, de fato, Sy tem inspiração pelo personagem de Maurice Leblanc.

+++LEIA MAIS: Lupin: Quem é Arsène Lupin, inspiração para nova série da Netflix com Omar Sy

A parte 2 de Lupin dá continuidade aos últimos momentos angustiantes da série, no qual o policial Youssef encontra Assane Diop, e o filho do protagonista é sequestrado a mando de Hubert Pellegrini. Assim, o personagem parte em busca do filho enquanto faz, novamente, um jogo de gato e rato com a polícia.

Desde o lançamento dos primeiros episódios, Lupin foi um sucesso imediato. Com trama instigante, edição esperta e uma trilha sonora envolvente, a produção deu ao público uma obra de potência inquestionável: com mistério, ação e grandes reviravoltas. 

+++LEIA MAIS: Além de Lupin: 5 filmes icônicos de Omar Sy

Na parte 2, a ação é intensificada, assim como as habilidades mirabolantes do protagonista de Omar Sy. Afinal, o personagem, mesmo quando parece encurralado, consegue recuperar-se em cenas impressionantes - assim como o icônico Arsène Lupin dos livros. 

Assim é Lupin: um diálogo constante entre o real e a ficção, visto que o protagonista se inspira pelo fictício Arsène Lupin, das obras de Maurice Leblanc. Os novos capítulos mostram, justamente, que Assane Diop é muito mais que uma cópia do ladrão de casaca - ele tem muita personalidade (e muitas habilidades).

+++LEIA MAIS: Criador de Lupin, da Netflix, quer crossover com Sherlock Holmes

Uma semana após a estreia da parte 2 de Lupin, a Rolling Stone Brasil teve acesso a uma entrevista exclusiva com Omay Sy, na qual o ator falou sobre os desafios do papel, assim como a inspiração no personagem Arsène Lupin

+++LEIA MAIS: Além de La Casa de Papel: 4 séries da Netflix para quem gostou de Lupin 

Entrevista com Omar Sy

Como você entrou em contato com o projeto?

Tudo começou quando Gaumont [a produtora por trás do show] me procurou com uma pergunta bem simples que ainda me surpreende: "Qual personagem você gostaria de interpretar?" Não demorei muito para pensar em Arsène Lupin. Para mim, ele é realmente o personagem perfeito para um ator. Ele é sedutor e inteligente, desempenha vários papéis, torna possível experimentar todos os tipos de aventuras, ir do drama à comédia, da seriedade à leviandade e abraçar a ação de alta performance.

Quando você cresce na França, você sabe quem é Lupin, como ele se parece, do que é capaz. Ele é um dos nossos heróis. Eu estava mais familiarizado com a versão mangá de Lupin, então fui apresentado ao personagem dos anos 80 por meio da visão japonesa da criação de Maurice Leblanc. Quando entrei no projeto, comecei a ler os livros e assisti a todas as adaptações filmadas novamente.

Como você reagiu quando leu o roteiro pela primeira vez?

Achei que era uma ótima premissa para o show! Eu li vários rascunhos que nunca foram totalmente satisfatórios, e analisamos longamente o "nosso" Lupin e descobrimos que ele sempre perdia algo. Quando George Kay surgiu com esta versão, pensei que ele tinha encontrado o Lupin que procurávamos por tanto tempo - o personagem pertencia à nossa sociedade moderna, embora fosse muito especial. Sua busca por vingança era um bom paralelo com o personagem Lupin, e havia alguma continuidade entre a jornada de Lupin e Assane que fazia todo o sentido. Eu também me relacionei com o tema da paternidade e do legado - esses foram os principais temas que transcenderam a história.

Como você poderia resumir o enredo?

É sobre uma criança que encontra um livro! [risos] Mais seriamente, é sobre um órfão que encontra uma figura paterna em um livro - ele considera um personagem fictício como um pai substituto no livro que seu pai real o entregou como um legado. Com esse legado - com essa ferramenta -, ele pretende vingá-lo. Porque Lupin é um personagem de várias camadas - ele é uma criança com a intenção de vingar seu pai, mas também é um pai que deve parar de ser obcecado por seu próprio pai para ser pai! Isso tudo sendo um ladrão cavalheiro, obviamente.

O show acontece em dois períodos de tempo diferentes. Foi emocionante para você como ator?

Foi ótimo! Quando você fala sobre Lupin, isso evoca o elemento divertido, o mentor do roubo, o espertinho que está sempre um passo à frente de todos os outros, a ação - então, tudo é bastante estimulante. Quando você começa a atuar, tem que considerar a história de fundo do personagem, como ele se tornou quem ele é, as áreas cinzentas, as nuances. 

George Kay, o escritor da série, queria explorar a infância de Assane. Achei que seria interessante ver o que Mamadou Haidara, o jovem ator que interpreta a versão mais jovem do meu personagem, faria com isso e, em seguida, usar isso na minha atuação. Quando você leva isso em conta, você tem mais liberdade de explorar as coisas, porque você tem essa história de fundo que informa sua atuação.

Ao contrário do herói de Maurice Leblanc, Assane raramente usa maquiagem e, ainda assim, muda de identidade à vontade.

Pensamos em como ele iria de um personagem para o outro no mundo de hoje. Não poderíamos usar novamente o efeito da máscara de Missão: Impossível, então optamos por uma algo muito simples: Assane é definido por um sentimento de injustiça - o fato de ser ignorado, de ser invisível - que se tornou seu trauma. Ele usa isso. Conforme ele muda de roupa e se troca, ele se mistura com a multidão. 

Eu abracei isso de todo o coração porque é algo com o qual me identifico totalmente. Em minha experiência como comediante de TV, sei que tudo o que é preciso para mudar de identidade é um gorro e um par de óculos. Assane só precisa de coisas muito pequenas para subir na sociedade, porque hoje em dia as pessoas tendem a se concentrar mais no que as pessoas fazem do que em quem as pessoas são.

Na Parte Dois, a dinâmica de Assane com a polícia muda

Ele se solidariza com os policiais que tentam prendê-lo. Nos livros, Lupin é bastante semelhante. Ele brinca com a polícia, está um passo - ou vários passos - à frente deles, mas se relaciona com o personagem do Detetive Ganimard e até lhe faz favores. Nas últimas obras de Leblanc, Lupin é um investigador e o comissário de polícia é um de seus amigos. Mantivemos esse espírito com o personagem do detetive Guedira [Soufiane Guerrab]. Ele é a contraparte de Assane, realmente. Se você esquecer que eles estão em lados opostos da lei, eles são apenas geeks de Arsène Lupin!


+++ URIAS | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL