Em Recife, Paul McCartney enfrenta calor e “povo arretado”

Músico sofreu com a alta temperatura e teve de competir com público desinteressado e barulhento

Paulo Terron, de Recife Publicado em 22/04/2012, às 02h57 - Atualizado em 24/04/2012, às 17h41

Paul McCartney em Recife

Ver Galeria
(6 imagens)

Não era dia de jogo no estádio do Arruda, mas Paul McCartney teve de disputar uma partida dura contra dois adversários em Recife, neste sábado, 21: o calor excessivo e a plateia barulhenta e desinteressada de quase 50 mil pessoas que ali estavam para abertura brasileira da turnê On The Run.

O ex-beatle subiu ao palco às 21h35, com “Magical Mystery Tour” e, em poucos minutos, já estava encharcado de suor. Mais do que isso, parecia incomodado, passando a mão pelos cabelos e rosto constantemente, e, por vezes, ficando com o olhar perdido nas pausas entre as canções. Entre “Junior’s Farm” (tocada pela primeira vez em solo nacional) e “All My Loving”, o britânico abandonou o blazer preto para revelar uma já também molhada camisa branca.

McCartney fez questão de anunciar que outra faixa, “The Night Before”, faria sua estreia no Brasil. Mas o que poderia ser uma informação empolgante acabou completamente perdida em um público que parecia mais interessado em conversar e tirar fotos (não do show – mas uns dos outros). Em momentos mais intimistas como na homenagem a John Lennon com “Here Today”, chegava a ser difícil ouvir a música, abafada pela conversa em alto volume no estádio.

Poucos momentos roubaram a atenção dos pernambucanos por completo: as explosões e o fogo de “Live and Let Die” foram mais barulhentos que o público, enquanto os hits “Yesterday” e “Hey Jude” (com McCartney errando discretamente a letra) colocaram as bocas dos pagantes a serviço do show. “Povo arretado”, brincou o músico, em português, algumas vezes ao longo das quase três horas de apresentação.

Já recuperado do calor lá pelo meio da noite – quando a temperatura finalmente cedeu e baixou -, Paul McCartney brilhou: dedicou a nova “My Valentine” à “belíssima esposa Nancy” (mais uma vez na língua local) e lembrou, apontando para o céu, que a canção seguinte, “Maybe I’m Amazed”, fora escrita para Linda McCartney.

Para o bis final, Paul McCartney voltou ao palco com uma bandeira de Pernambuco (o baterista Abe Laboriel Jr carregava uma flâmula de pirata, inexplicavelmente) e fechou a noite com a explosiva sequência “Yesterday”, “Helter Skelter” e “Golden Slumbers”/”Carry That Weight”/”The End”. No sábado, o inglês venceu a partida. Mas no domingo, 22, o público de Recife terá revanche.

NOTA DOS EDITORES:

Devido à enorme repercussão nas redes sociais da resenha acima, do primeiro show de Paul McCartney no estádio do Arruda, em Recife (PE), no último sábado, 28, a Rolling Stone Brasil tem a comunicar:

O leitor habitual da revista e do site da RS Brasil tem o conhecimento de que a publicação trata (e sempre tratou) as resenhas com total imparcialidade. Uma rápida busca pode indicar ao leitor uma série de relatos sobre o comportamento de público e o barulho (ou falta dele) durante shows em diversas cidades e estados do Brasil. O mesmo pode ser dito sobre a observação quanto à temperatura/clima no ambiente do show descrita na resenha.

Portanto, não houve, no texto citado, qualquer intenção de denegrir o público pernambucano ou de qualquer parte do Brasil.