Emicida dá aula sobre racismo, machismo e violência no Faustão: ‘Muitas mulheres estão trancadas em casa com os agressores’

Cantor foi entrevistado no Domingão do Faustão

Redação Publicado em 15/06/2020, às 07h58

None
Emicida (Foto: Júlia Rodrigues / Divulgação)

No último domingo, 14, o rapper Emicida deu uma entrevista importantíssima ao Domingão do Faustão, da TV Globo. O cantor falou sobre alguns dos maiores problemas sociais que a sociedade enfrenta, com aula sobre racismo, machismo e violência.

Por conta da pandemia do novo coronavírus, a conversa de Emicida com Faustão foi à distância, por videochamada. Além disso, a entrevista rendeu tanto que o rapper foi bastante elogiado pelo apresentador: "Esse é o Emicida. Um dos nossos orgulhos com inteligência e sensibilidade. Ele põe o dedo na ferida com muita ponderação".

Veja algumas das falas de Emicida, reunidas pelo UOL, abaixo.

+++LEIA MAIS: Fãs se revoltam ao descobrirem que Rage Against the Machine e System of a Down são bandas políticas - pois é, em pleno 2020

Racismo

"A gente finge que esse é um problema de lugares como a África do Sul ou os Estados Unidos. O imaginário do brasileiro médio foi conduzido através de uma reflexão que faz ele acreditar que a gente vive de fato em uma democracia racial, o que não é verdade".

"Quanto mais escura for a cor da sua pele, mais perigoso é. Essa tragédia que aconteceu com o George Floyd está fazendo o mundo inteiro fazer uma reflexão de como estruturalmente muitas pessoas corroboram com essa estrutura racista. Mas o Brasil tem emergências que precisam que ele se debruce sobre a sua realidade doméstica".


Machismo

"Eu venho de uma realidade de bastante pobreza. Lembro dos primeiros anos da minha vida a gente morava em um cortiço. Tinha um escadão e tinha uma casa que era colada na nossa, parece com parede. E lá o marido agredia a mulher dia após dia".

"Estou falando aqui sobre os anos 1980, mas a gente não pode agir como se isso também não fizesse parte da realidade do nosso país nos dias de hoje. A violência contra a mulher ainda faz parte da nossa realidade". 

"Nesse momento que estamos reclusos em casa muitas mulheres estão trancadas com os seus agressores".

"Mulheres trans também estão sendo vítimas, e tem projetos para que elas também sejam protegidas pela Lei Maria da Penha. Tem um caminho muito longo ainda para que a gente possa se orgulhar como sociedade".

+++LEIA MAIS: Um Maluco no Pedaço: atriz acusa Will Smith de destruir a carreira dela após viver Tia Viv


Violência

"Estamos falando aqui uma semana depois de uma garota em Pernambuco abandonar uma criança no elevador e essa criança cair do nono andar e falecer. Isso é uma tragédia gigante. A gente precisa sim se perguntar: por que uma pessoa em pleno gozo de sua faculdade mental abandona uma criança de cinco anos dentro de um elevador?".

"Porque ela não consegue reconhecer nem a humanidade daquela criança e nem a necessidade de cuidado. Porque ela acha que esse cuidado são cuidados que ela deve ter com pessoas que se pareçam com ela".

"E há duas semanas atrás o menino João Pedro no Rio de Janeiro tomou um tiro nas costas e faleceu enquanto cumpria sua quarentena em casa. Um tiro que foi disparado por um policial".

"A nossa realidade tem situações tão ou mais desesperadoras. E precisamos nos levantar contra isso também".


+++ DELACRUZ | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO