Emocionado, Jerry Cantrell comanda o Alice in Chains em um dos melhores shows do SWU 2011

Com a ajuda do vocalista William DuVall, banda apresentou set list irrepreensível; guitarrista dedicou música a Layne Staley e Mike Starr

Bruna Veloso Publicado em 15/11/2011, às 02h46 - Atualizado em 17/11/2011, às 01h31

Alice in Chains tocou no SWU nesta segunda, 14

Ver Galeria
(2 imagens)

Atualizada em 17 de novembro, à 0h57

Quase 20 anos se passaram desde que o Alice in Chains tocou no Brasil, no festival Hollywood Rock de 1993. Muito aconteceu nesse período: Layne Staley morreu e o guitar hero Jerry Cantrell deixou o Alice in Chains de lado por um bom tempo. Reformado, o grupo mostrou uma ótima forma em um show pesado e nostálgico no SWU, na madrugada desta terça, 15.

William DuVall, o vocalista de timbre semelhante ao de Staley, integrado ao grupo em 2005, provou dar conta da responsabilidade de cantar clássicos da banda mais "metaleira" do grunge (na verdade, por ter nascido em Seattle, o Alice in Chains é erronemente associado ao tal "Seattle sound"). Em Paulínia, DuVall caminhou pelo palco com desenvoltura, mostrou potência nas cordas vocais e habilidade não só na guitarra-base, como nos solos ("Got Me Wrong" foi um exemplo). Cantrell, por sua vez, se revelou genuinamente feliz com o público, que assistiu ao show sob uma chuva de pingos grossos que não parou um segundo sequer durante a apresentação.

Logo no começo, depois de "Rain When I Die" (a terceira da noite, seguindo um início matador com "Them Bones" e "Dam that River"), DuVall falou ao público. "Tudo bem? Estamos muito felizes por estar aqui", disse o vocalista. A frase, assim, solta, pode parecer apenas falsa simpatia - mas quem estava diante da banda realmente sentiu sinceridade por parte de DuVall e Cantrell. Como quando o guitarrista declarou, logo antes de "Nutshell": "Nós nunca esquecemos de onde viemos. Essa vai para Layne e Mike" [o baixista original da banda, que saiu em 1993, morreu em março deste ano, após a ingestão de remédios e álcool]. Depois de um solo preciso e emocionado (que emocionou também os fãs - deu até para ver um rapaz chorando na plateia), Cantrell falou, visivelmente tocado: "Eu vou dizer uma coisa, vamos voltar muito em breve".

A escolha do set list não poderia ter sido melhor. Além de músicas do ótimo último disco, Black Gives Way to Blue, de 2009, não faltaram as faixas que os fãs (ou quem só conhece os hits) queriam ouvir. A sequência final foi irrepreenssível: "Angry Chair", "Man in the Box", "Rooster", "No Excuses" e "Would?" fecharam este que foi um dos melhores shows do SWU 2011. Antes de sair do palco, mais um afago no público brasileiro, desta vez por parte de DuVall: "Vocês são uma das plateias mais bonitas para as quais já tocamos".