Entenda a história de Duffy: cantora que foi violentada e mantida em cativeiro há dez anos

A cantora desapareceu da mídia e da música após o lançamento do segundo disco da carreira, em 2010

Redação Publicado em 07/04/2020, às 09h27

None
Duffy (Foto: Reprodução / Instagram)

Duffyfoi uma das maiores estrelas britânicas em ascensão no final dos anos 2000. Com o disco Rockferry, lançado em  2008, a cantora foi destaque no Grammy e Brit Awards. Porém a vida da artista mudou completamente após ser drogada, violentada e mantida em cativeiro por semanas.

Em 2010, Duffylançou o segundo álbum da carreira, Endlessly, mas o trabalho não foi aclamado pela crítica como o disco de estreia. Pouco tempo depois, a cantora se afastou da mídia e iniciou uma longa pausa na carreira, que iria durar 10 anos. 

+++ LEIA MAIS: Cantora Duffy revela que foi ‘violentada, drogada e mantida em cativeiro’ em post de Instagram

Após uma década de dúvidas e questionamentos por parte da imprensa, Duffydecidiu revelar a verdade sobre o desaparecimento dela no mundo da música para um jornalista de confiança no início de 2020.

Em um post do Instagram, a cantora escreveu: "Um jornalista entrou em contato comigo, ele achou um jeito de me alcançar e eu contei para ele tudo o que aconteceu no último verão. Ele foi gentil e foi incrível finalmente falar. A verdade é, e, por favor, confiem que eu estou sã e salva agora, eu fui violentada, drogada e mantida em cativeiro por alguns dias".

+++ LEIA MAIS: Duffy revela primeira música em 10 anos e após depoimentos sobre estupro; ouça

Recentemente, Duffy colocou no ar um site com o depoimento completo dela sobre o crime. A cantora escreveu que foi drogada em um restaurante durante a comemoração do aniversário de 25 anos dela e levada para um hotel fora do Reino Unido, onde foi mantida em cativeiro.

"Era meu aniversário, fui drogada em um restaurante, e depois fui drogada então por quatro semanas, em viagem para um país estrangeiro. Não me lembro de entrar no avião e voltei na traseira de um veículo em movimento. Fui colocada em um quarto de hotel, mantida em cativeiro, e o criminoso voltou e me estuprou [...]  Eu poderia ter sido morta por ele. Eu pensei em tentar fugir para a cidade vizinha enquanto ele dormia, mas não tinha dinheiro e eu tinha medo que ele chamasse a polícia por mim, por fugir, e talvez eles me localizassem como uma pessoa desaparecida.”

+++ LEIA MAIS: Demi Moore revela ter sofrido abuso sexual com permissão da mãe aos 15 anos

Ela completou: “Eu sabia que minha vida estava em perigo iminente, porque ele fez confissões veladas de que queria me matar. Com a pouca força que eu tinha, meu instinto era de correr, correr e encontrar um lugar para viver que ele não conseguia encontrar".

A artista ainda disse que teve receio de falar com a polícia, mas acabou revelando a história para duas policiais mulheres depois de receber um e-mail, no qual criminosos ameaçaram contar a história para a imprensa, e quase ter a casa  invadida por três homens. 

+++ LEIA MAIS: Ellen DeGeneres relembra quando sofreu abuso sexual na adolescência

Duffy se afastou dos amigos e da família para viver isolada em casa.Além disso, a cantora contou que se mudou  cinco vezes para não ser encontrada novamente pelo criminoso. Ela disse: "Eu encontrei um lugar para morar, a quinta casa, não me sentia tão confinada quanto nas outras, onde eu sofria silenciosamente, em casas ou apartamentos. Nesse lugar em que passei anos solitários para encontrar a estabilidade para me recuperar, eu parei de correr e me mudar. Senti que ele não poderia me encontrar na quinta casa, me senti segura".

Por fim, Duffy escreve que conseguiu se recuperar do trauma com ajuda psicológica e, agora, “pode deixar esta década para trás” e parar de responder às questões sobre o desaparecimento dela. 

A artista pop também voltou para o mundo da música este ano e divulgou o single “Something Beautiful” em um post do Instagram, que, como os outros, foi deletado dias após a publicação. 

Acesse o depoimento completo de Duffy aqui


+++ DISCOGRAFIA DO THE STROKES: OS ALTOS E BAIXOS DOS ARRUACEIROS DE NOVA YORK