Entre a sanidade e a loucura

Leonardo DiCaprio luta contra os próprios demônios em Ilha do Medo, novo filme de Martin Scorsese

Por Mariana Bonfim Publicado em 12/03/2010, às 19h33

Uma das principais perguntas que todo ser humano faz a si mesmo é onde termina a sanidade e começa a loucura. Por mais que os ditados nos digam que de louco todos temos um pouco, Ilha do Medo, que estreia nesta sexta, 12, o novo filme do diretor Martin Scorsese, nos remete a esta pergunta.

Scorsese retorna ao suspense e usa novamente Leonardo DiCaprio como protagonista principal. No elenco ainda estão Mark Rufallo, Ben Kingsley, Michelle Willians e Jacke Earle Haley. Tudo se passa num manicômio judiciário da Ilha Shutter. A trama apresenta dois agentes federais (DiCaprio e Ruffalo) que vão ao local investigar o misterioso sumiço de uma paciente que, apesar de ter afogado os próprios filhos, continua vivendo na fantasia, achando que nada ocorreu.

Em meio à tensão que envolve a tentativa de descoberta do paradeiro da paciente, um dos agentes se vê obrigado, e de uma forma alucinante, a ter que enfrentar seus próprios demônios interiores. Com uma trilha sonora bem pontuada e a edição precisa de Thelma Shoonmaker, uma veterana nos trabalhos do diretor, o espectador é jogado em meio aos delírios insanos dos prisioneiros da ilha.

Vale pegar a balsa até a ilha com Scorsese e atravessar um oceano de fantasmas para tentar saber a verdade por trás do mistério, por mais que as ilusões custem a ser mais tentadoras e reais.