EP do Blink-182 é “cem vezes melhor” do que Neighborhoods, diz Travis Barker

O trio se reuniu no estúdio na semana passada em Los Angeles e quer lançar um disco completo em 2013

Dan Hyman Publicado em 13/11/2012, às 18h31 - Atualizado às 19h10

Blink-182
AP

Semana passada, Travis Barker, Tom DeLonge e Mark Hoppus passaram quatro dias em um estúdio de Los Angeles organizando um punhado de músicas novas do Blink-182, que eles planejam lançar em um EP digital até o Natal. Conforme Barker contou à Rolling Stone EUA, o material novo está ficando especial.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

"Para mim, esse EP já é cem vezes melhor do que Neighborhoods", diz Barker, se referindo ao disco de reunião lançado em 2011 pela banda. "Porque estamos todos em um mesmo cômodo", completa ele, lembrando que o trio gravou Neighborhoods quase todo remotamente, mandando faixas por e-mail um para o outro. "Tem músicas lá que adoro, mas a maior parte é sem conexão”, Barker relembra. "Era tudo tipo ‘você faz essa parte no seu estúdio e então você toca isso e me manda de volta’. Quando você não está junto no estúdio, não tem a oportunidade de um aproveitar a presença do outro."

Para piorar as coisas, Barker ainda estava se recuperando do acidente de avião que sofreu em 2008, que quase o matou. "Cara, eu ainda estava me curando", ele diz. "Eu tinha feridas por todo o corpo e estava todo ferrado. Foi cedo demais."

Agora, o baterista afirma que a banda está pronta. Eles já criaram cinco novas faixas que o músico descreve como "muito, muito legais" – uma delas ele revela ser "muito folk". “Eu nem sei”, ri. “Foi algo fora do normal. Tivemos todos algumas ideias e fui para o estúdio e fiquei brincando de tocar. Estava com meu kit eletrônico e comecei a tocar uma batida várias vezes seguidas e soava maluco. Mudou todo o formato da música."

A ideia de voltar para o estúdio partiu de Barker, que retomou isso com DeLonge e Hoppus durante a turnê de verão deles na Europa. Mas foi só há algumas semanas que o grupo resolveu levar o projeto em frente. "Foi uns três dias depois do Halloween e Tom disse 'cara, vamos fazer!'", relembra Barker.

Agora como uma banda independente pela primeira vez desde sua estreia em 1994 – o Blink deixou o selo com o qual trabalhava havia anos, o Interscope, mês passado – Barker diz que o EP está sendo feito “unicamente para os fãs. É uma comemoração pós-selo”, ele diz.

E mais música nova do Blink está a caminho. O baterista conta que eles voltarão ao estúdio em fevereiro, após uma turnê pela Austrália, para começar a compor e gravar o próximo disco completo, que deverá sair no fim de 2013.

O lema da banda continua? “A regra é que não há regras”, Barker reafirma.