Eric Clapton confirma que se aposentará dos palcos aos 70 anos

Icônico guitarrista também nega a pretensão de reunir-se com os antigos integrantes do Cream

Redação Publicado em 27/06/2014, às 10h27 - Atualizado às 13h23

Eric Clapton
John Davisson/AP

Pouco menos de um ano separa Eric Clapton de férias prolongadas. O icônico guitarrista confirmou em entrevista à revista Uncut, que chegou às bancas nesta sexta-feira, 27, nos Estados Unidos, que pretende se aposentar quando completar 70 anos – ou seja, em março de 2015.

Eric Clapton foi eleito o segundo maior guitarrista de todos os tempos pela Rolling Stone. Veja a lista completa aqui.

“JJ [Cale, amigo e músico que morreu em julho de 2013] disse: ‘Quando fizer 70 anos, ficarei não oficialmente aposentado’”, contou Clapton. “Acho que vou me permitir continuar gravando em estúdio. Mas a estrada se tornou insuportável para mim.”

Uma seleção das mais polêmicas, absurdas e ultrajantes autobiografias do rock. Veja a lista completa aqui.

A declaração do astro reforçou o que ele havia dito à Rolling Stone EUA, em fevereiro de 2013. Em entrevista ao jornalista Brian Hiatt, Clapton confessou se incomodar particularmente com os seguranças dos aeroportos. “Eu nunca faço as coisas do jeito certo. Esqueço-me de tirar o cinto, ou tenho moedas no bolso. De repente, ouço: 'Venha cá, por favor?' Eu simplesmente não quero mais fazer isso", disse ele, rindo, na ocasião.

“Quando fizer 70 anos, vou parar”, diz Eric Clapton sobre as turnês. Leia a entrevista aqui.

À Uncut, o guitarrista também negou qualquer pretensão de se reunir com os antigos companheiros de Cream, supergrupo que formou ao lado de Jack Bruce e Ginger Baker, na década de 1960.

Guitarra icônica de Bob Dylan bate recorde e é leiloada por quase US$ 1 milhão.

“Não falo com Jack ou Ginger há muito tempo”, disse Clapton. “Não acho que exista qualquer linha de diálogo entre nós – ou entre mim e eles, é bom ressaltar - desde 2005”, afirmou, referindo-se aos shows realizados pelo grupo naquele ano, no Madison Square Garden, em Nova York.

Veja: Eric Clapton toca guitarra na casa dele, em Londres.

“Depois daquelas apresentações, eu me convenci de que fomos o mais longe possível sem que ninguém fosse assassinado”, brincou ele. “Neste período da minha vida, eu não quero ter sangue em minhas mãos! Eu não quero fazer parte de um confronto trágico”, finalizou.