Especial 10 anos One Direction: reunião da banda realmente vale a pena? [ANÁLISE]

Desde o hiato em 2016, os integrantes seguiram em carreira solo e apresentaram ao público um lado criativo desconhecido no tempo como grupo musical

Isabela Guiduci Publicado em 23/07/2020, às 07h00

None
One Direction em novembro de 2014 (Foto: Mark Metcalfe/Getty Images)

Há 10 anos, no dia 23 de julho de 2010, o One Direction era formado. Harry Styles, Louis Tomlinson, Liam Payne, Niall HoranZayn Malik foram unidos como banda no The X-FactorUK por Simon Cowell para continuar na competição na categoria de grupos, após serem dispensados como artistas solo.

+++LEIA MAIS: O lado sombrio do One Direction: ansiedade, depressão e mais

Ainda sem muito conhecimento sobre carreira e indústria musical, os cinco jovens foram ao X-FactorUK em busca de tornar realidade o sonho de serem reconhecidos como grandes cantores.

O objetivo foi concluído de uma maneira inimaginável. Logo nos primeiros meses como banda, os integrantes já somavam fãs pela Europa. Inicialmente, o público estava concentrado na Inglaterra, país natal dos integrantes - com exceção de Niall, que é irlandês. 

+++LEIA MAIS: Especial 10 anos One Direction: Como a boy band reergueu formato 'morto' depois da geração do Backstreet Boys, N'Sync e mais?

One Direction não ganhou a edição de 2010 do X-Factor UK, contudo. A banda terminou a competição em terceiro lugar, mas isso não diminuiu o sonho e a vontade dos adolescentes em continuar com a carreira musical. Ao final do reality show, assinaram um contrato com a gravadora do jurado Simon Cowell, a Syco Entertaiment

Em um ano, em novembro de 2011, o grupo lançou o primeiro disco da carreira, o Up All Night. Nele está o hit “What Makes You Beautiful”, música responsável por impulsionar os anos iniciais da boy band e torná-la reconhecida mundialmente. Hoje, o videoclipe oficial da faixa soma 1 bilhão de visualizações no YouTube. 

+++LEIA MAIS: Quem odeia quem no One Direction: tretas, indiretas e sumiço

One Thing” foi o terceiro single do Up All Night (2011), e ganhou um vídeo oficial em janeiro de 2012. Junto com “What Makes You Beautiful”, ocupou as paradas musicais, rádios e programas de televisão de todo o mundo. O sucesso da banda aconteceu em uma velocidade tão rápida que era constantemente comparado à beatlemania na década de 1960. 

No ano seguinte, lançaram o segundo álbum da carreira, Take Me Home (2012), com singles que também foram hits. São eles “Little Things”, “Kiss You”, e “Live While We’re Young”. Com esse projeto, a banda se consagrou no cenário musical mundial após estrear em primeiro lugar em mais de dez países, incluindo o Brasil, Estados Unidos e Reino Unido.

Como no período de lançamento dos dois primeiros discos os integrantes ainda eram bem jovens, quase não tiveram espaço criativo para a composição das canções. O padrão musical adotado pelo grupo vinha das ‘sugestões’ da gravadora. 

+++LEIA MAIS: Como o TikTok já mudou e vai mudar ainda mais a música pop?

Mais tarde, em novembro de 2013, divulgaram Midnight Memories, que tinha como single “Story of My Life” - atualmente é o terceiro videoclipe mais assistido do canal da banda no YouTube com 816 milhões de visualizações. “Best Song Ever”, a faixa-título “Midnight Memories” e “You and I” são os outros sucessos deste projeto. 

Foi em Midnight Memoriesque os integrantes passaram a ter mais espaço nas composições, e essa liberdade criativa se estendeu para Four, o quarto disco da carreira, lançado em novembro de 2014. 

Liam Payne e Louis Tomlinson são os integrantes que mais colaboraram nas composições do One Direction, embora todos tenham participado do processo de criação de outras faixas, principalmente em Foure no último disco da carreira da banda, Made in The A.M. (2015).

+++LEIA MAIS: Tudo o que aconteceu no One Direction após a saída de Zayn Malik

Em março de 2015, Zayn Malik decidiu deixar a boy band. Em agosto do mesmo ano, o grupo anunciou que entraria em hiato a partir de 2016.

Antes de suspenderem as atividades, portanto, os integrantes lançaram o último disco da carreira como grupo, Made in The A.M., já sem a participação de Zayn. O videoclipe oficial do single “Drag Me Down”, atualmente, alcança a marca de quase 900 milhões de visualizações no YouTube, o que, mais uma vez, comprova como o grupo tinha se consagrado mundialmente no cenário musical e ainda causa impacto nele.

Cinco anos e seis meses de carreira foram o suficiente para o One Direction conquistar fãs ao redor do mundo, números incríveis, 412 prêmios, primeiro lugar nas paradas musicais, e ser reconhecido como uma das principais boy bands da pop music. 

Atualmente, os cinco músicos originais seguem com a carreira solo e ativos em shows ou turnês, com exceção de Zayn, que está mais afastado dos palcos. Uma reunião do grupo realmente vale a pena?

Ao olhar para a carreira musical de Harry, Liam, Louis, Niall e Zayn com o One Direction, e o sucesso deles como grupo, certamente a resposta seria: sim, vale a pena uma reunião da banda. 

No entanto, ao analisar os projetos solo de cada um, a resposta pode mudar completamente. Isso se deve principalmente pelo desempenho e liberdade criativa de cada um dos cantores com os discos lançados pós-grupo. 

Como o formato da boy band se encaixa em um estilo de pop music muito específico, os integrantes não conseguiam experimentar sonoridades diferentes, gêneros híbridos, e elevar o próprio nível criativo a partir dos erros e acertos com novas experiências. 


Carreiras solo

O primeiro a lançar disco em carreira solo foi Zayn, por ter saído antes do grupo. Mind Of Mine (2016) marcou a estreia do músico, e foi aclamado pela crítica. O videoclipe do single “Pillowtalk” tem 982 milhões de visualizações no YouTube.

Mais interessante do que os números, porém, é a sonoridade apresentada por Zayn. Desprendido do pop adolescente, o músico lançou um disco ousado não só nas temáticas das letras, mas nas influências diretas do R&B contemporâneo e neo-soul. Todas as canções foram compostas principalmente por ele. 

Harry Stylesfoi o segundo a explorar novos âmbitos musicais a partir da carreira solo com o disco auto-intitulado, lançado em maio de 2017. Embora o projeto se aproxime mais do pop, o cantor experimentou sonoridades do britpop, soft-rock, folk, e melodias do universo pop-rock. 

Todas as composições também tiveram Styles à frente delas. O disco estreou na primeira posição em mais de 10 países, incluindo Brasil, Estados Unidos e Reino Unido. 

+++LEIA MAIS: Harry Styles come esperma de bacalhau e escorpião para não responder perguntas constrangedoras

Em outubro de 2017, Niall Horan lançou o álbum de estreia da carreira solo, Flicker. Em um som bem semelhante ao apresentado pelo ex-colega de banda, Styles, o irlandês investiu no folk, com o violão como o principal instrumento de apoio. 

Com a maioria das composições encabeçadas por Horan, as canções apresentam, com sensibilidade e complexidade, um lado íntimo e profundo do cantor. 

Já com um som mais maduro, em dezembro de 2018, Zayn compartilhou Icarus Falls, segundo disco, que soma 27 faixas. Nele, o músico se permitiu revisitar o pop e explorou variadas sonoridades do gênero ao longo das diversas canções. 

Em dezembro de 2019, Liam Payne compartilhou o disco de estreia LP1, e se manteve no pop, embora com um olhar mais criterioso e adulto, distante da temática adolescente. Nas composições, contou com a ajuda de grandes nomes do estilo como Ed Sheeran e Charlie Puth

No dia 13 do mesmo mês, Harry Stylesdisponibilizou Fine Line, segundo álbum da carreira, aclamadíssimo pela crítica. Mais uma vez, apresentou faixas experimentais com flertes ao pop-rock, folk, britpop e, dessa vez, até mesmo o rock clássico não ficou fora. 

+++LEIA MAIS: Harry Styles revela significado poético, mas triste, da música 'Falling'

Inclusive, o músico dividiu o projeto em quatro lados (Side A; Side B; Side C; Side D), os quais, em cada um, trouxe sonoridades diferentes - sendo o Side C o mais distante da discografia trazida até então, com novas melodias e combinações. 

Em janeiro de 2020, Louis Tomlison lançou Walls, disco de estreia. As canções contam com letras sensíveis, complexas, e profundas, e todas tiveram o britânico à frente da composição. Musicalmente, dialogam com o gênero pop. 

Por fim, o mais recente lançamento dentre as carreiras solos é o segundo álbum de Niall Horan, Heartbreak Weather, compartilhado em março deste ano. O trabalho é bem diferente do primeiro em musicalidade, porque as novas faixas se aproximam bem mais do gênero pop, se distanciando, portanto, do que ele havia apresentado anteriormente. 


Vale uma reunião?

Após analisar o momento musical de cada um, é possível notar como os músicos têm mais espaço para a criação - muito diferente do período como banda. Com os trabalhos solos, podem correr riscos que não conseguiam como grupo. Em 2016, Harry Styles inclusive disse em entrevista à Rolling Stone Estados Unidos: “Tenho mais espaço para erros e acertos.”

Além disso, todos têm uma liberdade criativa muito maior, não só por ser um formato diferente, mas porque não precisam encontrar uma semelhança entre cinco artistas, que certamente têm pensamentos, influências e gostos divergentes. 

Atualmente, há diferenças entre estilos, posicionamentos e crenças, que poderiam causar desentendimentos no âmbito musical, por exemplo, pela falta de sintonia e influências semelhantes. 

Os cantores estão em processo de conhecimento do próprio trabalho, por conta das carreiras solos serem tão recentes. Desse modo, ainda há muitos caminhos - sonoros e pessoais - para serem percorridos por eles. Em uma boy band, isso certamente seria limitado e mais controlado. 

De fato, seria muito interessante um reencontro da banda no futuro, quando todos já tenham encontrado um certo equilíbrio entre maturidade, evolução e autoconhecimento no âmbito musical. 

É inegável, no entanto, que o sucesso do One Direction seja maior como banda. Isso, na verdade, pode ser negativo, porque consequencialmente há uma pressão maior para criação de músicas, discos, projetos paralelos e até mesmo para as turnês. 

Com a carreira solo, os artistas tomam o tempo necessário para desenvolver e pensar sobre os determinado álbuns, o que permite tornar o projeto em algo mais íntimo, profundo, complexo e pessoal. 

Por conta dos shows para públicos menores, os cantores, além do espaço-tempo maior para criação das músicas, experimentam um processo intimista de relacionamento com os espectadores. 

Estar no One Direction e ter uma carreira solo são experiências diferentes. A união das duas certamente trará projetos ainda mais surpreendentes para o futuro de Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan e Zayn Malik


+++ FREJAT: O DESAFIO É FAZER AS PESSOAS SABEREM QUE O DISCO EXISTE