Especial Kurt Cobain

Redação Publicado em 13/04/2009, às 13h23

Ver Galeria
(2 imagens)

A nova edição da Rolling Stone Brasil apresenta, pela primeira vez, duas capas diferentes, no mês que marca os 15 anos da morte de Kurt Cobain. Na edição de colecionador, apenas o rosto do ídolo, em preto e branco; na outra capa, o líder do Nirvana em imagem colorida.

No especial, você fica sabendo como foram os dias que antecederam o suicídio do cantor, e ainda confere a última entrevista concedida à Rolling Stone EUA, cerca de seis meses antes de sua morte. Além disso, editores da RS Brasil relembram o show do Nirvana em São Paulo, no Hollywood Rock, em 1993, com exclusividade neste site; também aqui, o texto "Sobreviva a Isso - Um Ano na Estrada com o Nirvana", do jornalista Michael Azerrad, publicado originalmente em junho de 1994 na Rolling Stone EUA. Leia trechos abaixo.

Os Últimos Dias

Por David Fricke

Era a manhã de 8 de abril de 1994 quando o corpo de Kurt Cobain foi encontrado em Seattle, após seis dias desaparecido. Naquele instante, o líder e principal compositor do Nirvana não deixava apenas uma esposa - Courtney Love, uma filha - Frances Bean - e milhões de fãs órfãos ao redor do mundo: ele também entrava para o mítico e seleto grupo dos gênios da música que se foram cedo demais. Em uma entrevista longa e assustadoramente premonitória, ocorrida quase seis meses antes do suicídio (e a última que concedeu para a Rolling Stone EUA, o cérebro do Nirvana discorre com comovente sinceridade sobre fama, paternidade e o futuro de sua banda, além de admitir estar em um dos momentos mais felizes de sua vida. Leia mais.

Espiral Descendente

Por Neil Strauss

Os passos derradeiros do líder do Nirvana

No dia 8 de abril de 1994, pouco antes das 9h da manhã, o corpo de Kurt Cobain foi encontrado em uma estufa em cima da garagem de sua casa em Seattle. A espingarda calibre 20 que o cantor, guitarrista e compositor de 27 anos usara para colocar fim à própria vida estava por cima de seu peito. Fazia seis dias que ninguém o via. Um eletricista que foi instalar um sistema de segurança na casa encontrou Cobain morto. Apesar de a polícia, uma empresa de investigações particulares e amigos estarem à sua procura, o corpo já estava lá havia dois dias e meio, de acordo com o relatório do médico legista. Na corrente sanguínea do músico foi encontrada alta concentração de heroína e vestígios de Valium. Apenas as impressões digitais permitiram que o corpo fosse identificado. Leia mais.

Barulho Bom

Por André Barcinski

A Música, a Influência e o Legado do Nirvana de Kurt Cobain

Se você está lendo estas linhas é porque deve gostar de "rock alternativo". E quem não gosta? Afinal, ele está impregnado em nosso dia-a-dia, em todos os lugares: nos sites, nas revistas e na televisão. Mas nem sempre foi assim. Houve uma época, 20 anos atrás, em que o rock alternativo era feudo de poucos. Gostar do lado mais underground da música era coisa de nerds, de adolescentes espinhudos de óculos de tartaruga e camiseta dos Smiths puída. Ouvir esse som nas rádios comerciais era impossível. Leia mais.

Sobreviva a Isso

Por Michael Azerrad

Um ano na estrada com o Nirvana

No primeiro semestre de 1993, Kurt Cobain se sentou à mesa de sua cozinha às três da manhã, fumando um cigarro atrás do outro e brincando com um dos manequins médicos que ele colecionava. "É difícil acreditar que uma pessoa consegue botar coisas tão venenosas como álcool ou drogas no próprio sistema e os mecanismos agüentam - por um tempo", ele me disse, absorto, tirando e colocando os pulmões, o fígado e o coração do boneco. Leia mais.

Estou Aqui, Me Divirta (texto publicado com exclusividade neste site)

Por Pablo Miyazawa

Confinado em si mesmo, Kurt não deu a mínima pra nós

Eu ainda nem 15 anos tinha quando comprei os ingressos para o Hollywood Rock de 1993. O festival prometia, a imprensa dizia, a MTV insistia: Red Hot Chili Peppers e Alice in Chains no primeiro dia, L7 e Nirvana no seguinte. No meu caso, a expectativa estava dividida entre todas as atrações internacionais. Não me recordo, confesso, se havia uma celeuma maior em relação ao Nirvana do que ao Chili Peppers. Leia mais.

Frustração e caos (texto publicado com exclusividade neste site)

Por Paulo Cavalcanti

Vinda do Nirvana ao Brasil, em 1993, foi histórica - mesmo que os shows tenham entrado para a lista de piores da banda

O que acontece quando a maior banda do mundo faz um dos piores shows de sua carreira? Muitos até hoje não perdoam o Nirvana por sua apresentação no Hollywood Rock, em São Paulo, no Estádio do Morumbi, em janeiro de 1993. Talvez seja fácil entender a enorme frustração dos fãs paulistas. Kurt Cobain, Dave Grohl e Krist Novoselic tinham simplesmente "rachado" o rock e todos esperavam um momento de glória e catarse. Leia mais.