Pulse

Estética punk

Mostra I Am a Cliché, no Rio de Janeiro, traça um paralelo de influência do movimento em obras de artistas e fotógrafos, como Andy Warhol e Robert Mapplethorpe

Rio de Janeiro, BR Press Publicado em 17/07/2011, às 13h59

Patti Smith por Robert Mapplethorpe, parte da mostra I Am a Cliché

Ver Galeria
(8 imagens)

(Rio de Janeiro, BR Press) - O Centro Cultural Banco do Brasil inaugurou na última segunda-feira, 11, a exposição I Am a Cliché - Ecos da Estética Punk, que reúne obras de artistas e fotógrafos que foram influenciados pelo movimento. Imagens de Andy Warhol, Artsitein, Bruce Conner, David Lamelas, David Wojnarowicz, Dennis Morris, Peter Hujar, Robert Mapplethorpe, Stephen Shore e a coleção de capas de discos de vinil de Thierry Planelle são algumas das atrações.

Segundo a curadora Emma Lavigne, a exposição não tenta mostrar a história do punk por meio das fotografias. O intuito é desvendar os ecos do punk no universo desses artistas.

Uma das salas da mostra remonta ao período em que Warhol atuou como empresário da banda Velvet Underground, nos anos 60. Nessa época, ele forrou todo o seu estúdio, a Factory, de papel alumínio, e o ambiente serviu de inspiração e cenário para fotografias de vários outros fotógrafos, como Steven Shore. Na exposição, Emma, que chama essa época de protopunk, fez o mesmo em uma das salas em que expõe as fotos de Shore.

Outras salas reúnem imagens do Sex Pistols por Dennis Morris, com direito ao som, no último volume, de músicas da banda. Há ainda Patti Smith fotografada por seu então namorado e confidente, Robert Mapplethorpe, e 60 trabalhos do arquivo pessoal de Jamie Reid, que fez todas as capas dos discos e EPs dos Sex Pistols.

I Am a Cliché - Ecos da Estética Punk

Terça a domingo, das 9h às 21h, até 2/10

Centro Cultural Banco do Brasil - Rua Primeiro de Março, 66, Rio de Janeiro

Grátis