Cinema no fim de semana para todos os gostos: estreias trazem horror, tráfico de drogas, bossa nova e comédia

Entram em cartaz os filmes Slender Man: Pesadelo Sem Rosto, Escobar – A Traição, Onde Está Você, João Gilberto? e Te Peguei!

Paulo Cavalcanti Publicado em 23/08/2018, às 12h08 - Atualizado às 14h46

Annabelle Wallis, Jon Hamm,  Jake Johnson, Ed Helms, Isla Fisher e Hannibal Buress no filme Te Peguei!

Ver Galeria
(3 imagens)

Em Slender Man: Pesadelo Sem Rosto, Wren (Joey King), Hallie (a filha de brasileira e estrela da TV norte-americana Julia Goldani-Telles), Chloe (Jaz Sinclair) e Katie (Annalise Basso), quatro amigas de uma cidadezinha de Massachusetts, passam uma noite de sexta-feira pós-escola acessando sites com conteúdo pornográfico, tomando vodca e falando mal dos garotos que estudam com elas. Entediadas, resolvem evocar o Slender Man. Esta não é uma entidade folclórica; pouca gente sabe que o Slender Man foi um meme gerado na internet. Elas assistem a um vídeo da criatura e, sem saber, as quatro garotas sarcásticas e descoladas terão as vidas destruídas. Algumas delas somem, outras enlouquecem e tentam se matar. Todos ao redor das garotas acabam sofrendo algum malefício que não tem retorno.

Dirigido por Sylvain White e escrito por David Birke, Slender Man: Pesadelo Sem Rosto não é nenhuma obra-prima – os sustos são previsíveis e em alguns momentos o filme provoca risos involuntários. Mas o coeso elenco feminino, com jovens adultas vivendo adolescentes, dá alguma substância ao longa. Se este não é um grande filme, ele se mostra intrigante. A produção fala da cultura da internet, das coisas bizarras que você acha na rede e como elas dominam a imaginação de uma geração que não larga o celular para nada. Por estes aspectos, a narrativa ganha créditos por apontar caminhos para uma futura integração entre a internet e a tela grande.

A série Narcos foi um fenômeno. O brasileiro Wagner Moura, sempre um grande ator, se destacou no papel no narcotraficante colombiano Pablo Escobar. Mas se alguns estudiosos consideraram o Escobar de Moura muito “suave” e até shakespeariano, eles não vão se decepcionar com Escobar – A Traição. O filme é baseado em um livro escrito por Virginia Vallejo, a apresentadora de televisão que se envolveu romanticamente com o criminoso. Ela teve a carreira profissional destruída, mas pelo menos sobreviveu para contar a história.

No papel de Escobar, Javier Bardem é totalmente convincente. O traficante era um psicopata grosseiro e vulgar, um brutamontes cujos atos de violência estavam acima de qualquer noção de humanidade. Bardem encarna estas características do líder do Cartel de Medellín de forma impressionante. Penélope Cruz vive Virginia Vallejo e também dá uma dimensão humana à mulher que arriscou tudo para ver como era “o outro lado”. A jornalista apenas se preocupava com luxo e ostentação, mas teve se deparar com uma situação descontrolada que quase destruiu a vida dela. Dirigido pelo espanhol Fernando León de Aranoa, o filme tem violência de sobra, mas é uma ótima produção. Escobar – A Traição é mais um valioso capítulo que ajuda a contar a horrível saga do mega traficante.

O documentário Onde Está Você, João Gilberto? é uma investigação sobre o enigmático e irascível, mas genial criador da bossa nova. O diretor suíço Georges Gachot, entusiasta pela música brasileira, tenta recriar os passos do alemão Marc Fischer, que escreveu o livro Ho-ba-la-lá: À Procura de João Gilberto. Nesta obra, Fischer conta como veio ao Brasil e, em vão, tentou se encontrar com o violonista baiano. Encarnando o Capitão Ahab, ele não chegou perto de seu Moby Dick. Mas falou com amigos e colaboradores do músico e passou por pontos do país onde o músico fez história. O relato é fascinante.

Após sua jornada brasileira, Marc Fischer retornou para a Alemanha e morreu em abril 2010. Ele tinha 40 anos, e especula-se que tenha cometido suicídio. O livro que inspirou o filme saiu apenas no ano seguinte. Em um certo momento do longa, Gachot se encontra com o produtor e violonista Roberto Menescal. Este, que cortou relações com Gilberto há décadas, faz uma cara grave e fala: “O João Gilberto tem algo muito sinistro. Quem entra no mundo dele, de alguma forma, acaba se dando mal”. Segundo a lógica de Menescal, Marc Fischer, então, teria pago o preço por sua obsessão por Gilberto. Mas tirando este momento mais pesado, este é um filme tristonho, que trafega pela nostalgia e melancolia e anseia por um Rio de Janeiro poético e belo que não existe mais há muito tempo.

Já a comédia Te Peguei! tem como ponto de partida uma matéria que foi publicada no The Wall Street Journal e narra um fato verídico. Desde que eram crianças, todo ano, no mês de maio, cinco amigos (Ed Helms, Jeremy Renner, Jake Johnson, John Hamm e Hannibal Buress) se envolvem em um jogo insano de pega-pega. Para ganhar a competição vale tudo. Assim, eles arriscam suas vidas, e a maluquice do jogo ameaça empregos, relacionamentos e acaba com a privacidade deles e dos outros ao redor. Neste ano em particular, o jogo coincide com o casamento de Jerry (Renner), o único jogador invicto. Comandados por Hoagie (Helms) os amigos acham que, assim, Jerry seria um alvo fácil. Claro, as coisas não correm como o esperado.

Com direção de Jeff Tomsic, Te Peguei! tem altos e baixos. Em boa parte da ação, o filme apresenta um ritmo vertiginoso e até lembra uma animação do Coiote e do Papa Léguas. Mas às vezes o ritmo cai e muitas das piadas soam apenas grosseiras e apelativas. Se tivesse mais sutileza, teria potencial para se tornar pelo menos um filme cult.