Ex-empresário de Axl Rose fala sobre tentativa de suicídio do vocalista: 'Consegui intervir de forma positiva'

Em entrevista, Doug Goldstein falou sobre a aparição dele no documentário Axl Rose: Guns N' Roses Frontman

Redação Publicado em 12/02/2021, às 16h50

None
Axl Rose em 1988 (Foto: Gene Ambo / MediaPunch /IPX)

Em uma entrevista ao podcast Appetite For Distortion, o ex-empresário doGuns N' Roses, Doug Goldstein, que esteve à frente do grupo entre 1991 e 2008, falou sobre a tentativa de suicídio de Axl Rose e a recente aparição dele no documentário Axl Rose: Guns N' Roses Frontman. As informações do Ultimate Guitar.

+++LEIA MAIS: Axl Rose entra em briga com Secretário americano: ‘O que você fez de útil ao seu país hoje?’

O entrevistador perguntou: "Assistindo ao documentário e sabendo quão próximos você e Axl eram - obviamente os sentimentos ainda estão lá. Você disse ao final: 'Eu te amo, irmão', e senti isso. Outra coisa que senti foi quando você falou sobre a tentativa de suicídio dele. Não sei se eu esqueci isso. Foi chocante para mim."

Ele continuou: "Como você se sentiu? Quais foram as emoções passando pela sua cabeça quando estava contando essa história para a câmera? Sei que há mais detalhes, e eu não sei se você quer contá-los agora ou deixar para outro momento."

+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes


+++LEIA MAIS: Como Axl Rose deu a volta por cima e se tornou relevante para a música novamente [LISTA]

Doug Goldstein respondeu: "Você me conhece, sou um livro aberto, não tenho problema nenhum para falar particularmente com os fãs porque sem os fãs, não existe banda. Então quanto a falar sobre a tentativa de suicídio, não fiz isso por nenhum motivo a não ser dar uma explicação a respeito do estado de espírito durante uma porção enorme, principalmente da era Use Your Illusion, e para dar forças também e dizer 'você não está sozinho'."

"Há milhares, milhares e milhares de fãs do Guns N' Roses que enfrentam uma depressão similar. E entender que aqui está um cara que consegue entreter 220.000 pessoas no palco e depois vai para casa ficar sozinho sem ninguém para cuidar dele ou elogiá-lo pelas conquistas. É uma depressão enorme pela qual o sujeito passa, e não é só ele, acontece com artistas em geral", acrescentou.

+++LEIA MAIS:  Há 20 anos, Guns N' Roses retornava aos palcos com inesquecível show ‘circense’

"Tenho explicado isso durante anos - 220.000 pessoas na arena, e você faz isso durante um ano e meio, aí chega em casa e sua esposa diz: 'O cachorro não irá limpar seu cocô. E despedi a faxineira'. Foi mais sobre falar. Não senti como se estivesse falando sobre qualquer coisa que Axl não tivesse falado, sobre estar deprimido e passar por suas batalhas e questões. Então eu não senti estar falando em um momento inoportuno, só queria passar uma compreensão melhor de um pouco da dor pela qual ele estava particularmente passando", completou.

Doug contou que viveu uma situação parecida com o irmão: "Eu também estava revivendo a minha própria história. O aniversário do meu irmão é um dia antes do acidente de Axl. Ele morreu há 10 anos e tentou cometer suicídio algumas vezes – e eu era muito jovem para fazer qualquer coisa a respeito. ComAxl Rose, eu não era muito jovem para fazer algo a respeito, e eu consegui intervir de forma efetiva e positiva."

+++LEIA MAIS: 10 piores músicas do Guns N' Roses, de acordo com site


+++ PAI EM DOBRO | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL