Ex-guitarrista do Kiss, Ace Frehley apoia Trump: 'O líder mais forte que temos'

O músico evita falar sobre política - mas, quando o faz, apoia o atual presidente dos EUA

Redação Publicado em 10/09/2020, às 16h36

None
Ace Frehley toca com Kiss em Nova York, 2002 (Foto: George De Sota/Getty Image)

Ace Frehley, ex-guitarrista do Kiss, não gosta muito de falar sobre política. Porém, em uma entrevista recente no Cassius Morris Show, fez uma exceção para elogiar Donald Trump, presidente dos EUA.

“Não acho que política e rock n’ roll se misturam, na minha opinião,” disse Frehley. “E tento ficar longe disso o máximo que consigo. De vez em quando, falo disso. E digo que apoio Donald Trump.”

+++ LEIA MAIS: Em 1976, Ace Frehley quase morreu eletrocutado no palco durante turnê do Kiss

Na opinião do músico, “todos os políticos têm esqueletos no armário. Mas acho que Donald Trump é o líder mais forte que temos na mesa agora.”

Não é a primeira vez que o ex-guitarrista do Kiss expressa opinião parecido. Em 2018, durante o podcast Juliet: Unexpected, ele disse: “Deixa eu dizer algo sobreTrump. Quer você ame ou odeie ele, se você é americano e patriota, devia apoiar seu presidente. Ele foi eleito. Vivemos sob a constituição, e você deve apoiar o presidente, ou mudar para outro país.”

+++ LEIA MAIS: Por que Kiss não quis tocar na própria introdução ao Hall da Fama do Rock?

A opinião bate de frente com a de Paul Stanley, fundador e frontman do Kiss. Recentemente, questionou as ações de Trumo: “Ele fica tweetando sobre Michael Cohen, basquete, Black Lives Matter… É isso que um presidente deve fazer de manhã? Isso é presidencial? Sem opiniões, quero saber de VOCÊS.”

Em outra ocasião, Stanley escreveu: “Não importa quem você apoia, é incendiário e repugnante que QUALQUER candidato diga ‘se eu perder, esta eleição foi fraudada’. É um insulto para quem lutou pelas eleições livres e seguras que temos, e perigosamente mostra que os cidadãos que não compartilham seu ponto de vista são inimigos.”


+++ BK' lança novo disco e fala sobre conexão com o movimento Vidas Negras Importam: 'A gente sabia que ia explodir'