Pulse

Ex-segurança de Michael Jackson acredita que acusações de pedofilia influenciaram a morte do cantor

Em 2005, o astro do pop foi a julgamento por ter sido acusado de abuso sexual

Redação Publicado em 14/09/2019, às 20h00

None
Michael Jackson (Brittain Landmark Media Punch / IPX)

Em entrevista para o Daily Star, Matt Fiddes, antigo segurança de Michael Jackson disse que as acusações de pedofilia contra o cantor tiveram um peso significativo em sua morte. 

"Michael nunca mais foi o mesmo [após o julgamento do caso de Gavin Arvizo, em 2005]", disse Fiddes. O ex-segurança relembrou que o astro do pop ficou "totalmente destruído" depois de ter sido acusado de pedofilia e que tomou grandes doses de coquetéis de medicamento durante a turnê em Londres. 

+++ LEIA MAIS: Se o legado de Michael Jackson for destruído, a culpa é dele, diz produtor do Rei do Pop

Ao fim do julgamento, Jackson foi considerado inocente. "Eu era uma das únicas pessoas no mundo que sabia a verdade sobre ele. Depois do julgamento em 2005, ele começou a ficar paranoico que alguém ia pegá-lo."

+++ LEIA MAIS: 10 anos depois: Os últimos dias de Michael Jackson

"Ele morria de medo de ser assassinado no palco e até sugeriu usar coletes à prova de bala embaixo de seus figurinos no figurinos no show". Segundo ele, na época, explicaram a Jackson que o público o amava e que não haveriam mais problemas. "Eu garanti que estaria ali para cuidar dele e fazer de tudo para que ele estivesse protegido."

Fiddes relembra que depois do caso, o artista "não conseguia comer ou dormir". "Ele era um morto-vivo."

Sobre as acusações feitas no documentário Leaving Neverland (Deixando Neverland, em português), exibido pela HBO, Fiddes acredita que James Safechuck e Wade Robson estão mentindo. Em contrapartida a produção, um novo registro, intitulado de Chase The Truth apresenta um olhar investigativo sobre as alegações feitas contra o superstar global. 

+++ LEIA MAIS: Amigo de Michael Jackson acredita em acusações feitas em Deixando Neverland

Em abril, uma entrevista gravada em 1996 surgiu à tona e revelou um depoimento de La Toya Jackson, irmã do artista, que afirma a postura do cantor perante as acusações.