Exclusivo: Tulipa Ruiz e Marcelo Jeneci lançam clipe de "Dia a Dia, Lado a Lado" e anunciam turnê conjunta

A primeira apresentação acontece em Salvador no dia 15 de janeiro

Luciana Rabassallo Publicado em 15/12/2015, às 12h22 - Atualizado às 14h06

Tulipa Ruiz e Marcelo Jeneci
Clemente Gauer

O mundo da música pode ser um território hostil. Não deve ser nada fácil, enfim, cultivar vínculos fortes entre festas, camarins, fãs e turnês. Tulipa Ruiz e Marcelo Jeneci, contudo, veem a público para compartilhar o clipe da canção "Dia a Dia, Lado a Lado", cuja letra foi feita há seis anos, quando a carreira da dupla ainda engatinhava. “À época, nós tocávamos semanalmente no Grazie a Dio [reduto da música independente em São Paulo] e criamos essa canção em um dos nossos muitos encontros. Nós a tocamos ao vivo em algumas situações, mas ela nunca foi lançada oficialmente”, explica Tulipa, que acaba de ganhar um Grammy Latino na categoria Melhor Álbum Pop Contemporâneo Brasileiro por Dancê (2015).

Galeria: a música brasileira contada em documentários.

“O prêmio fez com eu refletisse sobre os caminhos que me trouxeram até aqui. O Jeneci participou de grandes momentos da minha carreira e eu senti que era hora de retomar essa parceria”, explica. Além da canção, que chega também aos ouvidos dos fãs com exclusividade pelo serviço de streaming Spotify (ouça abaixo), Tulipa Ruiz e Marcelo Jeneci farão uma turnê conjunta que começa em janeiro. “Queremos levar ao público o prazer que sentimos em dividir o palco e trabalhar lado a lado”, conta Jeneci, antes de completar: “Serão momentos únicos e de extrema alegria”.

Galeria: as 100 primeiras edições publicadas pela Rolling Stone Brasil.

O clipe de "Dia a Dia, Lado a Lado", realizado por Eugênio Vieira e Pedro Palhares, mostra cenas de encontros entre Jeneci e Tulipa e os bastidores da gravação da música. "Essa história só me lembra uma semente alada. Essa é a sensação que eu tenho. É algo que a gente plantou há muito tempo e agora está florescendo. Criar essa música veio de um desejo intenso de um colaborar com o trabalho do outro. A canção nasceu, nos a deixamos guardada e agora está desabrochando", explica o músico.

A composição de Tulipa Ruiz, Marcelo Jeneci e Gustavo Ruiz foi feita em 2009 e nunca havia sido gravada, tendo sido apenas executada em shows do início da carreira de ambos. "Todos os dias alguém me pergunta sobre essa canção. Por qual motivo ela nunca entrou em um disco ou se não vamos lançar uma versão oficial. Há um vídeo no YouTube, feito durante uma apresentação ao vivo, que tem mais de dois milhões de visualizações. Por isso, agora que as nossas agendas estão mais calmas e conseguimos nos reencontrar, vamos celebrar esse momento da melhor forma possível. Dividir o palco com um artista como o Jeneci será um grande prazer", afirma a cantora.

O repertório das shows será pautado pelas canções dos três discos lançados por Tulipa - Efêmera, Tudo Tanto e Dancê -, como também por Feito pra Acabar e De Graça, registros que compõe a discografia do instrumentista. “A proposta é fazer uma verdadeira mistura musical. Ambos ficaremos no palco durante todo o show e vamos dividir os vocais das canções. A nossa história e a nossa obra têm muitas coisas em comum. Queremos celebrar esse encontro de uma forma diferente”, diz a artista.

Exclusivo: veja a “vídeo-capa” de Violar, o novo disco do Instituto.

A turnê começará com uma apresentação no Teatro Castro Alves, em Salvador, no dia 15 de janeiro, e seguirá para o Circo Voador, no Rio de Janeiro, no dia 16. Novas datas serão anunciadas em breve. "Teremos apenas uma banda no palco. Vamos desfrutar o máximo a companhia um do outro", explica Jeneci.

"Estamos muito animados para cair logo na estrada. Eu acho que essa turnê é um momento de celebrar os encontros. Ela diz respeito não somente ao nosso encontro, mas, sim, a importância de todo tipo de encontro. Estamos em um momento mundial muito difícil. É praticamente apocalíptico. Cada dia mais eu estou entendendo que a nossa maior tecnologia é ser humano. É desfrutar do outro. Viver. Trocar experiências. É a partir disso que a gente vai sobreviver", finaliza Tulipa.