Fábio Barreto não corre risco de morte iminente

Fábio Barreto, diretor de Lula, o Filho do Brasil, está na UTI do hospital Copa D'Or após capotar o carro no sábado, 19

Da redação Publicado em 21/12/2009, às 10h39

O cineasta carioca Fábio Barreto está em estado grave na UTI neurológica do Hospital Copa D'Or, após capotar o carro na noite de sábado, 19, em Botafogo, na zona sul do Rio de Janeiro. Diretor de Lula, o Filho do Brasil, que estreia em 1º de janeiro, ele continua em coma induzido e tem quadro de saúde delicado, mas não sofre risco de morte iminente.

Na manhã desta segunda, 21, Barreto, de 52 anos, passou por uma série de exames para que os médicos verificassem se as lesões aumentaram ou não. Uma tomografia realizada às 5h revelou que o edema de Barreto não progrediu.

O cineasta foi submetido a uma operação emergencial sob supervisão do neurocirurgião Paulo Niemeyer, no Hospital Miguel Couto, para retirada da calota craniana do lado esquerdo. Agora, os esforços médicos se destinam sobretudo à redução da pressão dentro do crânio e do inchaço no cérebro. O coma induzido deverá se perpetuar até a semana que vem.

O acidente ocorreu por volta das 22h, quando Barreto dirigia sua Pajero Mitsubishi na rua Real Grandeza, na altura do cemitério São João Batista. Ele estava sozinho no carro e voltava do aerporto do Galeão depois de perder um voo para Piauí, onde compareceria a um festival de cinema e passaria o Natal ao lado de sua mulher, a atriz Débora Kalume, e um de seus quatro filhos, João, de quatro anos. Segundo testemunha, o carro do diretor foi fechado e perdeu o controle.

O presidente Lula telefonou para a família Barreto - que inclui o produtor Luiz Carlos Barreto, o Barretão, pai do acidentado, e o irmão e cineasta Bruno Barreto, de Última Parada 174 e O Que É Isso, Companheiro? - para manifestar solidariedade, segundo jornal Folha de S. Paulo.

O quadro de domingo, 20, foi pior do que o de sábado, afirmou o neurocirurgião Niemeyer. "Não estamos preocupados com sequelas, mas em mantê-lo vivo."

Barreto lançou seu primeiro longa, Índia, a Filha do Sol, em 1982, com papel-título a cargo de Glória Pires - atriz com quem voltou trabalhar em Lula, o Filho do Brasil. Em 1996, um filme de Barreto, O Quatrilho, foi indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro, que perdeu para a produção holandesa A Excêntrica Família de Antônia.