Facebook e Instagram criam parceria inédita para Rock in Rio 2014

O objetivo é tornar o festival ainda mais interativo, diz representante das plataformas

Luísa Jubilut Publicado em 29/05/2014, às 19h38 - Atualizado às 20h04

.
Reprodução/Facebook

As redes sociais são papel fundamental em festivais de música. As pessoas compartilham fotos, comentários, vídeos dos shows com hashtags e chegam a aparecer no telão dos eventos. Com o Rock in Rio – Lisboa, não seria diferente. Este ano, a organização do festival anunciou uma parceria inédita entre o Facebook e o Instragram. Nos cinco dias de apresentações – que começaram no dia 25 e vão até 1º de junho – todos os acontecimentos ficam em destaque nas duas redes sociais. Os presentes podem usar a hashtag #rockinriolisboa.

“O público que frequenta festivais está ali não apenas pela música e pelos shows, mas também pela experiência, pela confraternização com amigos”, diz Christian Roçâs, líder da área de Parcerias Estratégicas do Facebook e Instagram no Brasil, à Rolling Stone Brasil. “Por essa razão, utilizam bastante o Instagram e o Facebook para contar e compartilhar esses momentos. No caso do Rock in Rio, estamos ampliando a parceria e desenhando juntos novos formatos criativos para tornar o festival ainda mais interativo antes, durante e após o evento. ”

Enquetes, as reproduções de fotos no telão citadas anteriormente, e uma série de entrevistas serão algumas das ações programadas para a parceria. “O ‘Face to Face’ é uma ferramenta que permite perguntas e respostas no Facebook”, explica ele. Os usuários podem postar suas dúvidas e comentários que serão respondidos em tempo real pelos músicos. “É uma ferramenta simples e que não qualquer recurso especial.”

Entre os artistas que se já se apresentaram no festival estão Robbie Williams, Ivete Sangalo, os Rolling Stones, Arcade Fire, Lorde, Ed Sheeran e Justin Timberlake sobem ao palco português neste fim de semana. “A música, por si só, já é um dos assuntos mais comentados em redes sociais. Essa presença já é garantia de que a audiência está nas redes e, mais do isso, interessada em compartilhar e acompanhar assuntos e conteúdos relacionados ao mundo da música ou a seus ídolos”, analisa Roçâs. “Ao entrarem e participarem ativamente das redes, mais do que compartilhar informações, os festivais passam a fazer parte da conversa, abrem um canal para que fãs de música e o seu público possam acompanhar e interagir com um conteúdo que seja relevante para sua realidade.”