Pulse

Criador de Mortal Kombat e Injustice fala sobre Injustice 2: “É como uma plateia pedindo bis. A banda tem que tocar”

Jogo chega em 16 de maio

Gus Lanzetta Publicado em 06/05/2017, às 10h39

Imagem do jogo Injustice 2

Ver Galeria
(2 imagens)

Super-heróis nunca foram tão presentes na cultura pop quanto agora. Os filmes estão cada vez maiores, a TV vem ganhando mais e mais séries protagonizadas por eles, de forma que os videogames não poderiam ficar de fora. O público, contudo, percebeu há tempos que adaptações vindas do cinema nunca renderam jogos bons. Então, o jeito é fazer títulos interessantes que tragam as estrelas das HQs direto para os consoles.

Foi pensando nisso que, em 2012, a Warner Bros. lançou Injustice: Gods Among Us, um jogo de luta estrelado pelos maiores heróis e vilões da DC Comics e feito pela NetherRealm Studios, que é expert no gênero e criou a série Mortal Kombat. Desde então, Injustice rendeu diversos lutadores extras, que são vendidos separadamente, e até uma popular série de quadrinhos.

Agora, cinco anos depois, a continuação do jogo chega às lojas. Conversamos com Ed Boon, criador de Mortal Kombat e Injustice e diretor das duas franquias, sobre o que chegará às mãos dos jogadores a partir de 16 de maio.

A mudança mais notável em Injustice 2 é a possibilidade de ganhar acessórios com os quais pode-se equipar os lutadores, mudando o visual e melhorando as habilidades de combate deles. Boon garante que a adição não irá desbalancear os combates. “Assim que decidimos usar nosso sistema de acessórios pensamos muito sobre como poderíamos dar toda liberdade possível aos jogadores e, ao mesmo tempo, manter o jogo competitivo. Em primeiro lugar, nos certificamos de que não criamos nenhum acessório que fosse poderoso demais, a ponto de 'quebrar' o jogo. Ao mesmo tempo, queríamos que os acessórios tivessem peso. Parte da diversão em Injustice 2 é ir tornando os lutadores cada vez melhores", diz. "Também teremos um modo de 'competição' (que pode ser usado em campeonatos), no qual estarão desabilitados os efeitos mecânicos dos acessórios, igualando os jogadores.”

A NetherRealm também é responsável por fazer com que o enredo de jogos de luta passasse a ser algo importante e interessante nos últimos anos. Um detalhe que mal existia ou importava nos fliperamas é um aspecto indispensável nos títulos, atualmente. “O modo história é uma das primeiras coisas que as pessoas procuram em um jogo da NetherRealm”, garante Boon, que diz que o estúdio segue aprimorando a fórmula. “Toda a produção do modo história em Injustice 2 é melhor que nos nossos jogos anteriores. É uma narrativa menos linear, já que nela temos escolhas do jogador. Alguns capítulos te deixam escolher entre dois lutadores para cada luta e também há uma escolha significativa que damos ao jogador, algo que tem efeito dramático na resolução da história.”

O notório diretor também falou um pouco sobre como se dá a seleção de personagens dentro de um catálogo tão vasto quanto o da DC. “Obviamente os astros no universo de Injustice são Batman e Superman, então eles sempre terão papéis grandes. Depois deles queremos satisfazer fãs da DC que queiram ver seus personagens favoritos em ação: Mulher Maravilha, Flash, Lanterna Verde, etc. Um rascunho da trama é escrito antes de a gente fechar o elenco. Aí, escolhemos personagens com base naquilo que a história necessita. A ideia é sempre surpreender os jogadores com 'tesouros escondidos', personagens não tão reconhecíveis quanto Batman e Superman, mas que têm histórias tão fascinantes quanto as deles e complementam o elenco.”

Quanto aos personagens extras que serão lançados, Boon ainda não diz quantos serão, mas indica que devem ser mais do que no primeiro jogo e que novamente deveremos ver algum forasteiro. “Em todos os nossos jogos anteriores os personagens convidados são os mais baixados. Então não fique surpreso se aparecer alguém de fora do universo DC", provocou ele, já que na data da entrevista ainda não tinha sido anunciado que Sub-Zero, de Mortal Kombat, estaria no game. "É sempre um desafio apaziguar demandas que excedem nossas expectativas. Mas, no fim das contas, uma demanda por mais lutadores é um ótimo problema para se ter. É como uma plateia pedindo bis em um show. A banda tem que tocar, certo?”

Injustice 2 será lançado para PlayStation 4 e Xbox One em 16 de maio.