Fãs mantêm esperança de entrar no tributo a Michael Jackson

Eles vêm de longe, têm tatuagem em homenagem ao Rei do Pop e madrugam para dar o último adeus ao cantor, homenageado nesta terça, 7, em cerimônia pública

<i>Reportagem da Rolling Stone EUA</i> Publicado em 07/07/2009, às 13h22

Los Angeles recebe nesta terça, 7, hordas de fãs em luto por Michael Jackson. A cidade, que tem déficit de US$ 500 milhões (R$ 978,5 mi), prevê gastos de até US$ 2 milhões (R$ 3,9 mi) para controlar a massa - que pode chegar a 1 milhão de pessoas, segundo cálculo da polícia.

Os fãs sorteados para assistir à cerimônia pública no ginásio Staples Center (ou no vizinho Nokia Theatre) tiveram até a noite de segunda, 6, para retirar o convite duplo - que, no mercado paralelo, chegou a atingir o equivalente a R$ 19 mil.

A reportagem do site da Rolling Stone EUA acompanha a movimentação nas ruas de L.A., onde o astro vivia, em residência alugada em Beverly Hills (o rancho Neverland fica a 200 km da cidade). Segundo a publicação, algumas centenas de fãs, vindas de todos os cantos dos Estados Unidos, tentam a todo custo conseguir uma brecha para entrar no tributo - os 17,5 mil convites gratuitos (11 mil para o ginásio; 6,5 para o teatro) foram sorteados, via internet.

Embora esteja sujeita a alterações de última hora, a lista de convidados, até este momento, traz Stevie Wonder, Mariah Carey, John Mayer, Usher, Lionel Richie, Jennifer Hudson, Brooke Shields, Kobe Bryant (jogador do Los Angeles Lakers), Magic Johnson, Smokey Robinson e Berry Gordy (fundador da gravadora Motown). O comunicado oficial foi liberado na segunda, 6, pela família do cantor.

Cecile, fã que voou de Paris a L.A., lamentou à Rolling Stone EUA não ter conseguido ingresso - embora tenha se candidatado três vezes ao sorteio online. "Queia estar aqui para ser parte disto, porque Michael tem sido parte da minha vida por tanto tempo." A mulher de 30 anos, que se hospedou em um hotel a quadras de distância do Staples Center, desconfiou da multidão selecionada para o evento. "Estou certa de que muitos não são fãs verdadeiros. Eles conseguem o tíquete e tentam vendê-lo. É uma pena", disse.

A publicação flagrou pelo menos uma agitação nesse sentido: um ingresso vendido por US$ 5 mil (R$ 9,7 mil).

Cecile não estava só em seu misto de lamento e revolta. Quatro amigos britânicos tinham ingressos na primeira fila para o primeiro dos 50 shows que Jackson faria em Londres, a partir do dia 13 de julho. "Não concordamos com o jeito como tudo está sendo feito. Nem com a ideia de celebração - mas, se é a única forma de dizer adeus a nosso ídolo, então vamos participar. Mesmo assim, não é justo que o mundo vá (ao Staples Center), enquanto os verdadeiros fãs são deixados de fora mais uma vez", disse Robert Gowen, 22 anos. Ele e os amigos pediram dinheiro emprestado para cruzar o Atlântico e se despedir do Rei do Pop.

O L.A.P.D., departamento policial de Los Angeles, sabe que não terá sossego pelas próximas horas. "Entendemos que as pessoas querem celebrar juntas; falar e lembrar de Michael", afirmou Sandy Cline, sargento da instituição. "Terão vários percalços no tráfego, mas nossos departamentos estão preparados para isso." Cerca de 3 mil oficiais foram convocados às ruas, com maioria alocada nos quatro blocos em volta do ginásio.

Apesar das longas filas e da severa verificação de documentos, a retirada dos ingressos, feita no Dodger Stadium, foi tranquila, segundo Cline. "Um ou outro problema com os cupons que eram questionáveis" e olhe lá. "Está sendo bastante calmo."

Dos mais de 1,6 milhões de inscritos no "bingo fúnebre", Crystal foi uma das vitoriosas. "Poderia atravessar o estacionamento com um moonwalk agora mesmo", garantiu a jovem de 23 anos, que gastou algumas dezenas de dólares para voar de Houston até Califórnia, acompanhada por uma tia. "Claro que estamos tristes, mas também extremamente excitadas por ter sido selecionadas." Nos últimos dias, Crystal teve de retocar uma antiga tatuagem, feita em homenagem ao intérprete de "Thriller", com a data da morte - 25 de junho de 2009.

Os ingressos não requeridos pelos 17,5 mil sorteados foram distribuídos esta manhã, no teatro El Rey, em Los Angeles. "Aparentemente, 1 mil pessoas não apareceram para buscar os convites, então, vamos todos dormir aqui e tentar conseguir a oportunidade de nos despedir decentemente de Michael", explicou, na noite anterior, o roterista Nevylle Flag - o quarto na fila. Seus companheiros para a noite? Mãe e filha que dirigiram de Alhambra (cidade californiana) para "ser parte da história". A tiracolo, a dupla trazia lençol, casacos, iPod e, principalmente, "uma a outra e a esperança de conseguir entrar".