O som das minas: Paige e Marina Sena mostram cena alternativa do funk de BH [ENTREVISTA]

Em bate papo exclusivo, as artistas falam de inspirações e cena brasileira

Yolanda Reis | @_ysreis Publicado em 06/03/2021, às 18h00

None
Paige e Marina Sena (Fotos: Cortesia / Trovoa)

Do rap à nova MPB, Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, revelou alguns dos maiores nomes da música brasileira nos últimos anos. Mas isso é só uma parte - e o local ainda tem muito o que mostrar. Como Paige, 22, uma das integrantes do grupo Fenda, coletivo de mulheres.

Paige lançou pela Macacolab o contagiante single “Vem Ki Vem”. A música é uma mistura do pop, rap e funk ambientada na alegria da laje. É uma colaboração com Kdu dos Anjos, MC, compositor e criador do Lá da Favelinha, centro cultural do Aglomerado da Serra, maior comunidade da cidade.

+++ LEIA MAIS: Feat mineiro: Lagum entrevista Daparte, Daparte entrevista Lagum - e juntos lançam a bela 'Nunca Fui Desse Lugar'

“Vem Ki Vem,” aliás, é também o começo do potencial que Paige, Kdu e Lá da Favelinha tem pra mostrar. Prova disso é Favelinha em Ação, programa online no qual o MC fala da cultura local: desfiles, música, batalhas e danças.


A união de Paige e Kdu chegou ao programa, e no domingo, 7, o grupo feminino Fenda - inclusive Paige - participará do Favelinha em Ação. 

+++LEIA MAIS: Daparte repensa identidade sonora e busca liberdade criativa com EP feito na quarentena [ENTREVISTA]

Encerrará o projeto Favelinha em AçãoMarina Sena, outro nome ligado a KduPaige. No dia 21 de março, ela tocará no programa online. A cantora lançou-se recentemente ao top 50 do Spotify com “Me Toca”, um mix de batida bem brasileiro - que lembra do samba, funk ao maracatu.

Em um bate-papo exclusivo para Rolling Stone, Marina Sena e Paige conversam sobre o lançamento de “Vem Ki Vem” e “Me Toca”. Veja:

+++ LEIA MAIS: O futuro da Lagum: como a banda quer homenagear legado de Tio Wilson nos próximos lançamentos [ENTREVISTA]

Marina Sena pergunta para Paige: 

Marina Sena: Adoro como a sua estética é muito bem direcionada e tá sempre impecável. Me conta quais são suas inspirações de estilo?

Paige: Minhas inspirações de estilo, of course, incluem Beyoncé e Rihanna. Mas, ultimamente, tenho me inspirado muito na Lizzo, muito, muito mesmo. Sempre gostei muito do estilo da Ciara, essa mistura meio sexy, meio street. Basicamente, essas divas, mas também gosto muito da Ariana Grande e da Lady Gaga.

+++ LEIA MAIS: NFT: como o futuro da venda da arte chegou no Brasil e porque conhecer novo modelo milionário de negócios

MS: Pelo que eu percebo, você já parece saber muito bem onde quer chegar com seu trabalho. Me conta, onde é?

P: Viver da música é a minha primeira meta. E viver bem, sabe? Ter um lugar legal, uma casa bacana pra minha família, pra mim. Ter condição de viver uma vida com qualidade e poder viver meu sonho mesmo, levar minha música e mostrar minha voz pro mundo.

+++ LEIA MAIS: Grammy 2021: Conheça os indicados da categoria Melhor Álbum de Rock [LISTA]

MS: Além da parte musical, você também participou da concepção artística do clipe de “Vem Ki Vem”?

P: Participei super. Adoro estar inserida na construção da música, do que acontecer, do clipe, da foto, do conceito, de tudo. Com certeza fiz parte dessa concepção. Cheguei com algumas ideias, aí o Stehling, diretor do clipe, completou com algumas coisas que ia sacando fomos trabalhando nisso em conjunto. 

+++ LEIA MAIS: O dia em que Elvis Presley tomou vacina na TV para incentivar fãs [FLASHBACK]

Queria algo solto, com muita dança, porque queria demais mostrar o Lá da Favelinha. Ele veio com essas outras construções, tipo a pegação dentro do carro e ele ser conversível. Foi somando essas ideias. Eu falei pegação, ele teve essa ideia, falei do carro porque Kdu falava do carro na música, e aí ele conseguiu tirar esse suco. 

MS: Se você pudesse escolher uma personagem de novela tudo a ver com “Vem ki Vem”, pra tocar toda vez que ela aparecer na tela, quem seria?

+++ LEIA MAIS: De volta ao rock alternativo, Kings of Leon redescobre a identidade em When You See Yourself [REVIEW]

P: Nossa, cara, essa pergunta me fez pensar muito! Salve Jorge tinha vários personagens super soltas na questão de falarem o que acham, de curtirem uma laje. Talvez a Lurdinha ou a Vanúbia, de Salve Jorge. Vejo elas descendo o morro e tocando minha música ou elas na laje, tomando um sol, falando alto. Fiquei na dúvida, mas acho que essas!

MS: Por fim, vai ter mais lançamento esse ano?

+++LEIA MAIS: Elvis Presley proibiu peixes em Graceland e comeu a mesma refeição por seis meses; entenda

P: Com certeza vai ter lançamento! Pretendemos lançar o primeiro disco com a Fenda e talvez outro single pelo ano :)


+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes


Paige pergunta para Marina Sena. 

Paige: As divas do pop internacional e nacional influenciam a sua música? Se sim, como influenciaram "Me Toca"? 

+++ LEIA MAIS: Fã de violão? Conheça a ZapMusic, plataforma brasileira exclusiva para violonistas

MS: Sim, muito. “Me toca” é basicamente produto das minhas referências, assim como tudo que eu faço e que todo mundo faz (risos). Não sei explicar bem como aparecem, porque é muito natural imprimir minhas referências no que eu faço, mas tenho certeza que estão lá. 

P: Quais são as suas referências de moda que influenciaram o clipe de "Me Toca"?

+++LEIA MAIS: Melim traz positividade e mescla pop, reggae e folk no disco Amores e Flores: 'Nos expressamos musicalmente' [ENTREVISTA]

MS: Vários clipes de divas do pop, de Madonna a Gal Costa. A gente queria que parecesse que eu mesma tava ali curtindo, me vestindo, então ao mesmo tempo tem um ar “desproduzido” nos looks.

P: Qual foi a parte da sua personalidade que ficou mais visível neste trabalho?

+++ LEIA MAIS: Lagum, Los Hermanos, Anavitória e mais: como os artistas ajudam produtores, técnicos de som e equipe

MS: Minha forma de seduzir ficou mais evidente, é uma parte importante da minha personalidade: a sedução, mas através da naturalidade.

P: O que você sentiu quando assistiu "Vem Ki Vem"? Acha que dá pra jogar a raba? 

+++LEIA MAIS: Filho e netos de Gilberto Gil: como Gilsons se tornou acalanto em tempos de crise política e de saúde

MS: Dá muitoooo! Já escutei horrores e dancei horrores dentro de casa.

P: Sabe aquele momento em que você pensa "Caralho! Queria ter escrito isso!"? Com qual música da cena de BH você já sentiu isso?

+++LEIA MAIS: Caetano Veloso critica Bolsonaro em primeira live de quarentena: ‘São situações muito graves que nós, os brasileiros, estamos enfrentando’

MS: Acho que "Professora", da Laura Sette, essa música é perfeita demais!


+++ HAIKAISS: 'O TRAP TAMBÉM PASSA UMA MENSAGEM CONSCIENTE' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL