Pulse

Festival do Rio 2012: “Minha intenção é quebrar os estereótipos sobre a Comic-Con”, diz diretor de documentário sobre a feira

Morgan Spurlock, de Super Size Me, assina A Saga Comic-Con: O Sonho de um Fã, que mostra sete personagens durante o evento de cultura pop mais famoso do mundo

Paulo Gadioli, do Rio de Janeiro Publicado em 08/10/2012, às 09h30 - Atualizado em 16/10/2012, às 10h47

Morgan Spurlock
AP

A San Diego Comic-Con é uma convenção de quadrinhos e cultura pop conhecida por praticamente todo nerd no planeta. Ano após ano, o evento é palco do encontro de milhares de pessoas, presentes ali pelos mais diversos motivos. Em A Saga Comic-Con: O Sonho de um Fã, Morgan Spurlock, diretor Super Size Me, escolhe cuidadosamente seus personagens para tentar demonstrar o que move esses apaixonados por filmes, séries e cultura pop, e a importância da convenção no percurso de cada um deles.

“Geralmente só ouvimos um lado da história: as celebridades que promovem seus filmes ou os malucos que moram no porão das suas mães, mas eu acho que a Comic-Con é muito mais do que isso”, conta Spurlock, em entrevista exclusiva à Rolling Stone Brasil. Embora tenha ido pela primeira vez à feira em 2009, o norte-americano conhecia bem o mundo ali representado. “Cresci lendo muitos quadrinhos, jogando videogame, assistindo a filmes de terror, coisas que não te tornam uma criança muito popular”, brinca.

Ainda pequeno, Morgan adorava as HQs do Homem-Aranha, sua principal influência ao decidir contar histórias. Assim, quando o documentarista encontrou Stan Lee, criador do cabeça de teia e diversos outros personagens da Marvel, decidiu se apresentar. “Falei que o trabalho dele havia mudado minha vida, e ele respondeu ‘obrigado, Morgan, você é muito gentil, acho que devíamos fazer um documentário juntos, sobre a Comic-Con “, relembra Spurlock.

Um ano depois, o projeto começava a sair do papel. “Enviamos chamadas de elenco a várias lojas de HQ e também divulgamos na internet. Em pouco tempo, recebemos aproximadamente 2500 pessoas interessadas. Foi difícil reduzir até as sete que você vê no filme”, diz.

Após achar os personagens, a dificuldade foi outra: acompanhar cada um deles por caminhos separados durante os três dias de feira. “Tínhamos 15 equipes diferentes, filmando a todo momento, e dentro delas, o produtor ainda tinha liberdade para puxar uma segunda câmera. Foi uma equipe de 175 pessoas, a maior que já tive”, conta.

Se já foi complicado na hora de filmar, o documetário provou-se ainda mais desafiador na hora da montagem. “Terminamos com 600 horas de filmagem, que devíamos reduzir a uma hora e meia, foi um processo muito trabalhoso”, revela.

“Minha intenção principal com o filme é quebrar os estereótipos sobre a Comic-Con“, revela. “Claro que ele acaba reforçando alguns, pois existem pessoas estranhas lá, mas é possível perceber que há outro lado da Comic-Con. Um envolvimento mais profundo que vai além de se vestir com uma roupa engraçada. Existem pessoas apaixonadas, criativas, incrivelmente talentosas e esse lugar se torna uma passagem para coisas maiores na vida de cada uma delas”, afirma Spurlock.

A Saga Comic-Con: O Sonho de um Fã está em exibição no Festival do Rio. Veja os horários:

Quarta - 10/10/2012 - Est Vivo Gávea 1 - 13h30

Quarta - 10/10/2012 - Est Vivo Gávea 1 - 18h40

Quinta - 11/10/2012 - Est Sesc BarraPoint 1 - 17h40