Filho de John Bonham explica a real razão para o Led Zeppelin não se reunir novamente

Jason Bonham foi o responsável por tocar bateria nas últimas performances da banda, em 1988 e em 2007

Redação Publicado em 23/12/2018, às 09h01

None
John Bonham (à esq.) e Robert Plant, em ação com o Led Zeppelin (Foto: DPA/AP)

Robert Plant é constantemente citado pelos fãs como o responsável pelo Led Zeppelin não voltar a se reunir desde 2007, quando o grupo realizou uma apresentação em Londres, em homenagem a Ahmet Ertegun.

Há bastante especulação a respeito do motivo pelo qual Plant não se empolgar para colocar a máquina Zeppelin em ação. E Jason Bonham, filho do icônico baterista da banda, John, morto em 1980, tem uma certeza.

Responsável por sentar atrás do kit de bateria nas duas últimas reuniões da banda, em 1988 e 2007, explicou à Billboard, a "verdade (sobre a escolha de Robert) é mais profunda".

+++ Como Robert Plant abriu mão do Led Zeppelin e revitalizou sua carreira solo

Bonham, assim como o guitarrista Jimmy Page e o baixista John Paul Jones, imaginavam que viriam mais apresentações do Zeppelin, principalmente depois do sucesso da performance em 2007, que foi registrada e lançada como um álbum ao vivo, chamado Celebration Day.

"Ficamos seis semanas ensaiando para um show. Então, eu pensei que faríamos mais", explica.

+++ Fotógrafo acompanhou o Led Zeppelin dentro e fora do palco; veja imagens

"Eu disse (a Plant): 'Eu preciso perguntar. A gente vai reunir a banda novamente?'", lembra Bonham. "E ele disse: 'Eu amava seu pai demais. Não é um desrespeito a você. Você conhece o nosso material melhor que nós mesmos e ninguém vivo é capaz de tocar como você. Mas não é a mesma coisa. Eu não posso ir lá e fingir. Não consigo ser uma jukebox, não consigo sair e tentar fazer dessa forma."

Segundo Bonham, Plant ainda leva a sério a declaração feita em 1980, quando morreu o baterista e a banda chegou ao fim. "Ele me disse que quando meu pai morreu, deixou esse mundo, também era o fim do Zeppelin. Ele não conseguiria fazer o que o The Who fez."

Plant cita a banda inglesa que seguiu após a morte do seu baterista, também icônico. Keith Moon, que integrava o grupo desde seu início, em 1964, morreu somente dois anos antes de John Bonham, em 1978.

"E eu entendi", disse Bonham. "Eu fiquei ok com isso. Meu pai e Robert se conheciam desde, tipo, 15 anos de idade. Era algo bem mais profundo para ele (Plant). Aceitei. Foi um ótimo momento e chegar ao fim daquela forma, com aquela apresentação, foi o melhor."

"Plant disse: nós temos que fazer mais um grande show. E, então, podemos descansar."