Filho de John Lennon explica 'trauma' por trás do último disco do pai

Sean Ono Lennon contou histórias inéditas em comemoração aos 80 anos do aniversário do cantor

Redação Publicado em 12/10/2020, às 13h00

None
John Lennon (Foto: AP) e Sean Lennon (Foto: Sipa USA via AP)

Em comemoração aos 80 anos de John Lennon na última sexta, 9, Sean Ono Lennon, filho do cantor, liderou um especial sobre o pai, o qual teve convidados que participaram da vida do astro e também histórias inéditas. Inclusive, o apresentador revelou "trauma" por trás do último disco de Lennon.

Durante entrevista com George Stroumboulopoulos, também conhecido como Strombo, da Apple Music, Sean explicou como um álbum é difícil para ele ouvir até hoje. O disco em questão é Double Fantasy, quinto trabalho de estúdio do artista, lançado em novembro de 1980, um mês antes do assassinato dele.

+++LEIA MAIS: 'Tudo estava estranho' dias antes da morte de Kurt Cobain, segundo memórias de Dave Grohl

O disco possui diversas canções de amor feitas para a esposa Yoko Ono. O trabalho ganhou o Grammy de Álbum do Ano em 1981. "Quando chegamos a Double Fantasy, foi difícil para mim pessoalmente porque me lembro [John e Yoko] de fazer aquele álbum, e era o disco que ele estava fazendo quando morreu", disse o apresentador.

Ele continuou: "Então, eu tenho muitos traumas associados a esse período, mas muitas boas lembranças também, obviamente. E eu não estava preocupado com isso porque não estava pensando nisso".

Na época, Sean Ono Lennon "estava preocupado em estragar tudo... Estou muito orgulhoso disso e, sim, quando chegamos em Double Fantasy, eu estava tipo: 'Uau, é melhor eu tomar um gole de água'. Foi bem intenso".

+++LEIA MAIS: O futuro da Lagum: como a banda quer homenagear legado de Tio Wilson nos próximos lançamentos [ENTREVISTA]

Mesmo com esse trauma, o filho de John Lennon conseguiu ouvir o disco. "Foi lindo também. Só de ouvir quanto amor meu pai tinha por minha mãe e vice-versa. E a música é, acredito, um dos melhores gatilhos de memória", afirmou. "E francamente, Double Fantasy não é um álbum que eu levanto todos os dias e tipo: 'Ei, você vai ouvir isso'".

Então, com o passar do tempo, o apresentador teve mais dificuldade em escutar o álbum outras vezes: "Então, eu não ouvia essas músicas há muito tempo, e eram realmente lindas e profundas, mas não é algo que eu gostaria de repetir continuamente. Foi tudo tão emocionante para mim".

+++LEIA MAIS: Mick Fleetwood ‘encontra’ skatista que viralizou ao som de Dreams: 'Te devemos uma'

Por fim, Sean falou sobre os processo de gravação de Double Fantasy. "[John] sairia do estúdio, iria ao banheiro, e minha mãe teria que se aproximar sorrateiramente e aumentar seu vocal", relembrou. "Ela disse que faria isso toda vez que ele saísse para ter certeza de que ele não recusaria antes que eles saltassem, porque ele estava, estranhamente, aparentemente inseguro sobre a própria voz, o que eu entendo".


+++ TERNO REI: ‘ANTES DE LANÇAR, VOCÊ NUNCA SABE SE É BOM OU RUIM’ | ROLLING STONE