Filho de Leonard Cohen homenageia pai em carta emocionante

“Gostaria de agradecê-lo por tanta coisa, só mais uma vez”, escreveu Adam Cohen

Redação Publicado em 14/11/2016, às 14h09 - Atualizado às 16h02

Leonard Cohen
AP

Filho de Leonard Cohen, o músico Adam Cohen publicou na conta dele do Facebook uma comovente mensagem homenageando o pai, que morreu aos 82 anos na última segunda, 7.

LEIA TAMBÉM

Morre Leonard Cohen

Artistas lamentam a morte de Leonard Cohen

Leonard Cohen “previu” morte em carta à ex-namorada

“Minha irmã e eu acabamos de enterrar nosso pai em Montreal”, escreveu Adam. “Com apenas familiares próximos e alguns amigos de longa data presentes, ele foi enterrado em um modesto caixão de pinho, junto ao pai e a mãe dele. Tal como pediu. Enquanto escrevo isso, penso no jeito singular que ele tinha em conciliar autodepreciação e dignidade, na sua abordagem elegante, seu carisma sem ousadia, sua gentileza, e a torre esculpida à mão que foi o seu trabalho. Gostaria de agradecê-lo por tanta coisa, só mais uma vez.”

No texto publicado, Adam também agradeceu por sempre ter providenciado conforto e sabedoria com doses de “humor estonteante”. Ele também reverenciou o pai por tê-lo inspirado a seguir os passos dele como intérprete e compositor. Além de ter lançado em 2014 o disco solo We Go Home, o canadense de 44 anos é o líder e vocalista do grupo Low Millions, que lançou em 2004 o álbum Ex-Girlfriends.

“Eu o agradeço pela música. Primeiro, pelas composições dele, que me seduziram quando eu ainda era uma criança; em segundo lugar, por me encorajar a criar meus próprios sons; e por último, por me dar o privilégio de compor ao lado dele. Obrigado por todas as mensagens gentis, pela empatia e pelo amor que vocês têm pelo meu pai.”

Embora tenha sido amplamente divulgado que Cohen teria morrido na última quinta, 10, o poeta, cantor e compositor canadense morreu na última segunda, 7. A morte foi confirmada pela Sony Music Canada, selo do músico, por meio da página dele no Facebook.

Cohen ascendeu nos anos 1960, em meio a uma cena de influentes cantores e compositores folk, como Bob Dylan, Paul Simon e Joni Mitchell. Com seu barítono reverberante, o canadense oriundo de Westmount, Québec, cantou sobre temas como amor, sexo, fé, espiritualidade, guerra, paz, êxtase e depressão. O último álbum de inéditas dele, You Want It Darker, foi lançado em 21 de outubro deste ano.

Cerca de quatro meses antes de morrer, ele escreveu uma emotiva carta a Marianne Ihlen. A norueguesa, que também morreu este ano, em 28 de julho, inspirou o poeta e cantor a compor as emblemáticas canções “So Long, Marianne” e “Bird on the Wire”. No texto, que veio à tona graças a Jan Christian Mollestad, amigo da musa de Cohen, o músico declarou estar “preparado” para a morte: “Marianne, chega uma hora em que nós estamos tão velhos que nossos corpos começam a se despedaçar. Acho que seguirei você muito em breve. Sei que estou tão perto, que se você esticasse sua mão, acho que ela alcançaria a minha”, escreveu.