Pulse

Filho do Chorão é cobrado em R$ 300 mil por shows que pai não fez por ter morrido

O Charlie Brown Jr. tinha contrato para 12 shows - mas a banda só fez três antes do vocalista morrer

Redação Publicado em 03/12/2019, às 19h16

None
Chorão em participação no show do Smath Mouth, em 2012 (Foto: Stephen Solon / Divulgação)

Alexandre Ferreira Lima Abrão, filho do Chorão, do Charlie Brown Jr., enfrenta uma luta judicial com a empresa Promocon há seis anos - desde a morte do seu pai. A realizadora de shows quer uma indenização de R$ 300 mil por shows que o músico não fez por estar morto. 

De acordo com a Folha, Alexandre recebeu uma notificação nove meses depois da morte de seu pai; esta informava que Chorão “faleceu sem atender à totalidade das obrigações assumidas” e “notoriamente, tais obrigações não poderão [mais] ser atendidas.” Ele a ignorou, e o caso virou um processo legal.

+++ LEIA MAIS:Chorão, do começo ao fim: a jornada do líder do Charlie Brown Jr

A empresa sentiu-se lesada por ter investido em 12 shows do Charlie Brown Jr. mas Chorão só ter apresentado três - o que fez com que houvesse prejuízo por causa dos investimentos. Pediram, então, R$ 225 mil de indenização (valor do cachê já recebido) e mais R$ 100 mil por quebra de contrato. Como explica Rodrigo Ramina, advogado da empresa, o valor é porque “com a morte de Chorão, o capital investido deixou de trazer o lucro esperado.”

Para Reginaldo Ferreira Lima, advogado de Alexandre e sogro de Chorão, a história é “loucura,” pois “naturalmente, o Chorão não tinha como fazer os shows.” Para ele, por não ser “ato ilícito,” não deve haver retaliações.

+++ LEIA MAIS:Charlie Brown Jr. anuncia turnê em homenagem a Chorão

Além disso, não há nenhum comprovante que Chorão tenha recebido o dinheiro para realizar os shows.

 +++ TRÊS DICAS PARA NÃO SER UM 'SACO DE VACILO', POR HOT E OREIA