Filme da “Batalha da Maria Antônia” terá Débora Bloch, José de Abreu, Laura Neiva e Caco Ciocler

Com direção de Vera Egito, longa-metragem mostrará conflitos entre alunos da USP e Mackenzie de outubro de 1968

Redação Publicado em 19/10/2013, às 12h45

Laura Neiva tem muita sorte e vive um dia de cada vez, mas não sai da rota
Autumn Sonnichsen

Há 45 anos, a Rua Maria Antônia, localizada na região central de São Paulo, tornou-se palco de um dos maiores conflitos entre estudantes de que se teve notícia na cidade. De um lado da via está a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP). Logo em frente, a Universidade Presbiteriana Mackenzie. Era a época do tenso regime de ferro da Ditadura Militar no Brasil e qualquer faísca poderia detonar tudo. E foi o que aconteceu.

Ganância, amizade e a busca pelo ouro moldam o novo filme de Heitor Dhalia, Serra Pelada

O ocorrido naquele 3 de outubro de 1968 recebeu o nome de “Batalha da Maria Antônia” nos livros de história e, agora, também irá para os cinemas. A Paranoid Filmes anunciou que produzirá, com distribuição da Europa Filmes, um longa-metragem cuja missão será recontar esta história por meio do olhar de um estudante de Filosofia da USP de 18 anos.

Rua Maria Antônia – A Incrível Batalha dos Estudantes será dirigido por Vera Egito e já tem no elenco Débora Bloch, José de Abreu, Laura Neiva (foto) e Caco Ciocler.

“O evento serviu de inspiração para contar a história do Leon, um estudante de filosofia de 18 anos. É a partir do olhar dele que acompanhamos a batalha entre os estudantes e todas as questões ideológicas e comportamentais que explodiam naquele momento”, disse Vera Egito, em comunicado oficial.

O filme, que ainda está em fase de captação de recursos, terá a produção executiva de Tatiana Quintella, sócia da Paranoid, fundada em parceria com Heitor Dhalia. Trata-se o segundo longa produzido pela empresa – o primeiro é Serra Pelada, que estreou nesta sexta-feira, 18.

Crítica: Serra Pelada, um faroeste tropical mostra terra sem lei no coração da Floresta Amazônica.