Filmes de Andy Warhol serão digitalizados por museu de Nova York

Projeto pretende escanear os cerca de mil rolos de filmes preenchidos pelo artista entre 1963 e 1972

Redação Publicado em 16/08/2014, às 11h27

Andy Warhol (1977)
Richard Drew/AP

O MoMA (Museu de Arte Moderna), localizado em Nova York, nos Estados Unidos, anunciou que lançará os filmes do icônico artista Andy Warhol em formato digital. De acordo com um comunicado – divulgado pelo Indie Wire –, após um processo que pode durar anos, é possível que centenas de títulos sejam divulgados ao público.

Edição 87: Lou Reed: um barulho perfeito.

A intensão é ambiciosa e parte de uma parceria do MoMA com The Warhol, um museu de Pitsburgo dedicado a preservar todo o legado do artista. Os filmes de Warhol pertencem ao museu nova-iorquino desde o começo da década de 1990. “Cerca de mil rolos de filmes originais em 16mm serão escaneados digitalmente, frame por frame, e convertidos em imagens de alta resolução”, diz o comunicado.

Arquivo: Entrevista Rolling Stone com Lou Reed.

“Há muitos, muitos filmes de Warhol que sequer foram vistos pelo público, além de outros que nunca foram assistidos em condições ideais”, diz a curadora Geralyn Huxley. “Isso é meu sonho há tempos, disponibilizar esses filmes para todas as pessoas”.

O processo de digitalização começa este mês e pode durar anos a fio. Entretanto, possivelmente resultará em centenas de filmes – entre longas e curtas, gravados por Warhol entre 1963 e 1972 – ficando disponíveis ao público, finalmente.

Galeria: a evolução do rock em onze passos.

Antes de trabalhar em narrativas mais extensas, Andy Warhol gravou centenas de imagens de celebridades com sua câmera 16mm, a primeira que ele teve, obtida em 1963. O artista registrou vários artistas e famosos que circulavam pelos mesmos locais que ele, do músico Lou Reed a socialites como Edie Sedgwick.