FLASHBACK: Priscilla Presley relembra encontro "estranho" de Elvis com os Beatles: "Eles estavam nervosos"

Em entrevista recém-descoberta, a ex-esposa de Elvis Presley revelou: “Fiquei impressionada com a timidez deles. Eles ficaram sem palavras, especialmente John Lennon"

Redação Publicado em 19/12/2019, às 11h39

None
Montagem com os Beatles e Elvis Presley (Fotos: AP File)

Elvis Presley era um grande ídolo para os Beatles e, quando a Beatlemania explodiu na década de 1960, a banda estava desesperada para conhecer o rei do rock and roll.

Em entrevista recém-descoberta e publicada pelo jornal Daily Express, a ex-esposa de Elvis, Priscilla Presley, relembra o dia em que eles finalmente se conheceram.

+++ LEIA MAIS: Em 1970, John Lennon revelou qual música dos Beatles ele menos gostava: 'Foi feita às pressas'

Ela cumprimentou os membros da banda naquela noite e mostrou a casa de Graceland para eles antes de levá-los até a sala, onde Elvis estava relaxando. "Eles eram tão fofos", revelou Priscilla. “Eles estavam tão animados, mas tão nervosos. Você poderia ouvir um alfinete caindo quando eles entraram. Tudo o que importava era ver o Elvis."

Priscilla disse que a atmosfera estava um pouco "estranha" no começo. “Fiquei impressionada com a timidez deles. Eles ficaram sem palavras”, ela continuou. “Especialmente John Lennon. John estava tímido, tímido, olhando para ele… Ele simplesmente não acreditava que estava lá com Elvis Presley."

"Foi um pouco estranho, porque eles continuaram olhando para ele sem dizer uma palavra. Eu senti que fazia muito tempo", ela riu. "Elvis precisou dizer: 'Sabe, pessoal, se vocês ficarem parados olhando para mim, é melhor eu fazer as minhas coisas'."

Elvis então pegou um baixo e começou a tocar, quebrando a tensão. "Aquilo iluminou a noite inteira e tudo ficou mais descontraído", afirmou Priscilla.

+++ LEIA MAIS: 39 anos sem John Lennon: veja 7 frases marcantes do ex-Beatle

Lennon admitiu que estava extremamente nervoso por conhecer seu ídolo. Conversando com a revista Spin em 1975, ele lembrou: “Ficamos aterrorizados. Ele é nosso ídolo. Fomos encontrá-lo, os quatro neste dia. Entramos e ele estava sentado na frente de uma TV. Estávamos no meio de uma turnê, em 65 ou algo assim. Ele tinha essa TV, eu lembro; um amplificador e um baixo conectado a ela."

E acrescentou: "Ele estava assistindo a TV sem som, tocando baixo e cantando, e estávamos meio que cantando junto. Mas nós paramos para assistir ele. Eu sempre pensei nisso do nosso ponto de vista; eu nunca pensei no dele. E anos depois, ouvi de um amigo, amigo da ex-esposa dele, que ele também estava aterrorizado: a) porque éramos a coisa nova e b) o que ia acontecer. E que ele estava há horas em preparação, pensando no que ia nos dizer. E nós o adoramos."

+++ LEIA MAIS: Ídolo de Elvis, Beatles e eterno sofredor: há 30 anos morria o lendário Roy Orbison

"É uma história estranha ... eu lembro de estar sentado lá e ele tocando baixo. E eu pensando: "É o Elvis! É o Elvis!!". Ele parecia ótimo mas era um pouco tímido. Eu gostaria de vê-lo em Las Vegas, porque é onde ele deve se sentir em casa. Mas ficaria envergonhado se dissessem: 'John Lennon está na platéia.' Eu odeio isso. Estou morrendo de vontade de vê-lo", concluiu.

 


+++ FRANCISCO EL HOMBRE SOBRE RASGACABEZA: 'É UM DISCO INDIGESTO, TOCA EM PONTOS DOLORIDOS E ÍNTIMOS'