Flashback: Rage Against The Machine queima bandeira dos EUA em palco do Woodstock ‘99

Evento ponteado de abusos sexuais e infraestrutura precária fez do nu metal um movimento mal visto

Andy Greene / Rolling Stone EUA Publicado em 24/07/2019, às 18h29

None
Tom Morello (Foto: AP/ Branimir Kvartuc)

O Woodstock de 1999 foi uma vergonha desastrosa. Os organizadores levaram 200 mil jovens fãs de rock para uma antiga base da Aeronáutica para Rome, Nova York, mas falharam em prover banheiros e água o suficiente. Aconteceu em um fim de semana escaldante do fim de julho com temperaturas acima de 37°C e sem nenhuma sombra. Uma garrafa de água custava US$ 4. Uma manifestação violenta era inevitável. 

Isso foi na era do movimento do “nu metal”, e Limp Bizkit, Kid Rock, Korn e Rage Against the Machine estavam todos no festival com Insane Clown Posse, Creed, DMX e vários outros no dia. Os únicos artistas que retornavam da primeira edição do Woodstock em 1969 eram o baixista do Who, John Entwistle, e o baterista do Grateful Dead, Mickey Hart. Ambos foram encaminhados para palcos menores. 

+++LEIA MAIS: Como estupros, morte e incêndio no Woodstock '99 demonizaram toda uma geração

Rage Against the Machine tocaram próximo ao fim da segunda noite, colocados entre Limp Bizkit e Metallica. Fred Durst foi altamente culpado por incitar a multidão a um frênesi violento. “As pessoas estavam se machucando”, disse. “Não deixe ninguém se machucar. Mas não acho que vocês deviam ficar tranquilos. Foi isso que a Alanis Morissete fez com vocês. Se alguém cair, ergue de novo. A gente já abandonou a energia negativa. Agora, queremos energia positiva.”

Não tiveram muitos destaques musicais no Woodstock de 1999, mas Rage entregou um show incrível no dia 24 de Julho. Eles terminaram queimando uma bandeira dos Estados Unidos enquanto tocavam “Killing In The Name.” E nem foi o último incêndio do final de semana. Tom Morello, guitarrista do Rage, defendeu o festival em uma entrevista de 2000 ao Addicted to Noise. “Os ataques sexuais que aconteceram foram horríveis e inescusáveis. Mas no geral, achei que a cobertura da mídia foi bem injusta e atacava os jovens e tentaram fazer de vilões uma geração inteira por causa de uns dois idiotas que estavam lá.”

Hoje em dia, Morello tem uma visão bem diferente sobre o assunto. “Para mim, o Woodstock 1999 foi o ponto baixo do nu metal”, disse no Louder Than Hell. “Os estupros no pit, a destruição do lugar. Pareceu que eles destacaram os piores elementos do metal - a misoginia de atletas sadistas - e a mensagem não foi dada como ‘isso é horrível’, e sim como ‘esta é a nova geração do Woodstock- um bando de idiotas.”


+++ SESSION ROLLING STONE: Francisco, El Hombre abre um diálogo sobre depressão com "Parafuso Solto :: Peso Morto"