Flea se pronuncia a respeito de polêmica do baixo desplugado durante Super Bowl

“Parecia a coisa mais verdadeira a fazer naquela circunstância”, escreveu o baixista do Red Hot Chili Peppers

Rolling Stone EUA Publicado em 05/02/2014, às 11h54 - Atualizado às 11h59

Red Hot Chili Peppers no Super Bowl
Julio Cortez / AP

Flea, o baixista do Red Hot Chili Peppers, resolveu explicar porque parecia que seu baixo não estava conectado durante o show no intervalo do Super Bowl: não estava mesmo. Depois que fotos se espalharam na internet com o instrumento sem o cabo ligado ao amplificador durante a performance de “Give It Away” ao lado de Bruno Mars, o músico publicou uma carta aberta para afirmar que fez aquilo de propósito.

Bruno Mars faz show dentro do esperado no Super Bowl, mesmo com participação do Red Hot Chili Peppers.

“Quando a NFL e o Bruno pediram para que tocássemos a música ‘Give It Away’ no Super Bowl, foi nos deixado claro que os vocais seriam ao vivo, mas o baixo, a bateria e a guitarra seriam pré-gravados”, escreveu. “Eu entendo a posição da NFL nisso, já que eles têm apenas alguns minutos para montar o palco, e há um zilhão de coisas que podem dar errado e arruinar o som para quem está assistindo no estádio ou na televisão. Não houve espaço para argumentação, a NFL não quer o risco de que o show fracasse por causa de um som ruim, ponto.”

Ele explicou que normalmente a banda não faria “nenhum tipo de dublagem”, mesmo que tenham sido expulsos de um programa de televisão na Inglaterra durante o fim dos anos 80 porque, como Flea escreveu, “toquei baixo com meu sapato”. O músico disse que o grupo fingiu algumas vezes na MTV, e que “sempre foi um sofrimento” porque a banda leva as performances a sério. “É uma coisa sagrada para nós, e qualquer um que já nos tenha visto no palco sabe que tocamos com o coração, improvisamos espontaneamente, aceitamos riscos musicais e suamos sangue a cada show.”

A banda por fim decidiu ir adiante com o fingimento no Super Bowl depois de refletir, falar com amigos e aceitar que todos eles “também amam futebol americano”. Então o grupo gravou uma versão da faixa para tocar com Mars.

Red Hot Chili Peppers fica aquém da expectativa com show acanhado em São Paulo

“Para a performance, Josh [Klinghoffer, guitarrista], Chad [Smith, bateria] e eu estávamos tocando com faixa pré-gravada, então não tinha necessidade de conectar os instrumentos, por isso não o fizemos”, escreveu. “Poderíamos ter conectado e evitado esse monte de gente que expressou o desapontamento com o playback? Claro que sim, facilmente, e isso não seria um problema. Nós achamos que é melhor não fingir. Parecia a coisa mais verdadeira a fazer naquela circunstância. Foi como fazer um videoclipe diante de uma multidão, exceto pelos vocais ao vivo, e foi nossa única chance. Nosso pensamento foi levar para as pessoas o espírito de quem somos.”

Ele encerrou a carta expressando gratidão à NFL e a Mars pela oportunidade, e, apesar de tudo, escreveu: “Eu faria tudo da mesma forma novamente”.