Pulse

Fleetwood Mac: 10 coisas que você não sabia sobre o disco Tusk

Lançado em 1979, o álbum comemora 40 anos neste ano

RYAN REED, Rolling Stone EUA Publicado em 11/10/2019, às 20h34

None
Fleetwood Mac (Foto: Divulgação)

O 12º disco do Fleetwood Mac é ao mesmo tempo demente e afável, bem como familiar e estrangeiro. O LP duplo, como White Album dos Beatles, se divertia com a própria bagunça ao misturar o trabalho de três compositores distintos.

A vocalista Stevie Nicks e a tecladista Christine McVie carregaram o peso comercial de Tusk tocando pop groove e rocks tempestuosos. Eles tocam no mesmo ponto ideal do disco anterior, a obra-prima Rumours(1977).

+++ LEIA MAIS: Fleetwood Mac toca música "Man of the World" pela primeira vez em 50 anos; assista

No entanto, Lindsey Buckingham não estava disposto a se repetir. Explorando o som moderno do New Wave e do punk, o cantor e guitarrista se preparou para marchar pelo desconhecido - seja com o interesse ou não dos colegas de banda nessa jornada. Essa fricção define Tusk, a fraturada obra de arte do grupo.

“A explosão do movimento punk mudou o cenário musical e a concepção popular era que bandas como a nossa, Led Zeppelin, The Stones, Elton John e todo mundo da nossa época, eram dinossauros que perderam contato com o mundo real”, comentou o baterista Mick Fleetwoodna autobiografia Then Play On (2004).

+++ LEIA MAIS: Em 1971, guitarrista do Fleetwood Mac foi fazer compras e nunca mais voltou

“Isso não era verdade, óbvio - estávamos em contato e atentos com todas as mudanças na cultura, principalmente o Lindsey. Ele estava intrigado com as bandas de punk, como the Clash e muitos artistas do New Wave, como Talking Heads e Laurie Anderson. E ele queria seguir essa criatividade. O problema para ele era se conseguiria ou não fazer isso com o resto de nós”, continuou Fleetwood.

Eles fizeram, é claro, da maneira mais Fleetwood Mac possível: com muito drama e muita cocaína. E eles terminaram com 20 músicas que mostravam cada faceta do estilo deles - da mania vibrante e galopante de “That’s Enough for Me” até o caos brusco e percussivo da faixa-título.

+++ LEIA MAIS: Briga com Stevie Nicks obrigou a saída de Lindsey Buckingham do Fleetwood Mac

“Acho que Tusk é uma gravação espectacular. Estávamos todos cansados, mas Lindsey estava realmente tentando torná-la mais estranha e mais pesada do que qualquer um de nós era capaz de compreender. Mas nós fomos junto. Nós o seguimos até o topo da montanha!”, disse Fleetwood nas notas principais da reedição de 2015 do disco.

Em comemoração aos 40 anos do aniversário de Tusk, separamos 10 curiosidades sobre o álbum de Fleetwood Mac. Confira:

Gravação do disco

O Fleetwood Mac gravou a maior parte de Tuskdentro do Village Recorder de Los Angeles. A banda construiu o espaço Studio D usando alguns dos próprios royalties antecipados. Eles acabaram acumulando mais de US $ 1 milhão em custos, o primeiro LP a cruzar esse limite.


Som único de Buckingham

Buckingham fazia gravações experimentais de várias músicas em casa antes de mostrá-las para a banda. Quando chegou ao estúdio, fez lobby por - e recebeu - uma réplica do próprio banheiro para conseguir capturar o "som incrível" que estava produzindo.


Experimentações de Buckingham

Mesmo quando ele entrou no estúdio, Buckingham experimentou incansavelmente técnicas de gravação - muitas vezes para aborrecimento dos outros.

+++ LEIA MAIS: Traições e US$ 1 milhão em drogas: os 50 anos do Fleetwood Mac

"Eu estava me perdendo bastante. Meu pensamento era: vamos subverter a norma. Vamos desacelerar a máquina de fita, ou acelerar, ou colocar o microfone no chão do banheiro e cantar e bater em uma caixa de lenços de papel! Minha mente estava disparada”, disse Buckingham ao site norte-americano Mojo.


Composição de “Sara”

Stevie Nick compôs “Sara”. A música foi em parte inspirada pelo aborto que sofreu durante o relacionamento com Don Henley, dos Eagles.


Ritmo de Tusk

O núcleo rítmico do maníaco "Tusk" se originou de uma banda de metais que Fleetwood ouviu na França.


Participação de Peter Green

Peter Green, co-fundador e compositor principal de Fleetwood Mac no início do blues, contribuiu com uma breve participação de guitarra na balada arejada de Christine McVie, "Brown Eyes".


Obsessão de Buckingham

Buckingham supostamente consultou as gravações do álbum Smile - até hoje não lançadas -, do Beach Boys, para "fins de pesquisa" durante as sessões. No entanto, o músico que já adorava Brian Wilson, elevou a obsessão pelo fundador do Beach Boys a um novo nível.


Fracasso comercial

O álbum Tusk foi uma decepção comercial se comparado com o sucesso de Rumour. E, embora o excesso de músicas experimentais tenha contribuído para esse retrocesso, as estranhas ideias promocionais da gravadora Warner Brothers não ajudaram.


Teorias sobre o nome Tusk

Dependendo da fonte, o nome foi inspirado na fotografia de natureza africana de Peter Beard - que trabalhou nas colagens surreais que enfeitam a embalagem interna do álbum. Outras teorias sugerem que Tusk era o apelido de Fleetwood para o próprio pênis ou para genitais em geral.


Regravações

Mick Fleetwood regravou a faixa de Buckingham “Walk a Thin Line”. A nova versão da música contou com a participação especial de George Harrison - ex-cunhado de Fleetwood. Quando finalizada, a canção entrou para o disco The Visitor (1981).