Fotógrafo questiona preconceitos registrando modelos em universo de cores

Marcelo Santos Braga idealizou o ensaio + Cores depois de um amigo ter sofrido racismo

Redação Publicado em 01/11/2015, às 11h06

Imagem do ensaio + Cores, do fotógrafo Marcelo Santos Braga

Ver Galeria
(4 imagens)

Um dos muitos casos de racismo diariamente registrados no Brasil inspiraram o fotógrafo Marcelo Santos Braga a criar um hipnótico e questionador ensaio de imagens. Intitulada + Cores, a coleção exibe modelos vivos em uma profusão de texturas.

Artista põe personagens de quadrinhos em capas de discos célebres.

O artista confunde os olhos do público experimentando cores e água de maneira frenética. A vítima de racismo (amigo do fotógrafo), um casal de lésbicas e mais pessoas emprestaram seus corpos para as pinturas exibidas.

"Sempre me intrigou essa falsa cultura de que existe um modelo único, engessado, que deve ser seguido", explica Santos Braga. "A rotulação das pessoas pela cor, peso, tamanho, sexo, crença, costumes ou qualquer coisa. Isso acaba com a identidade única de cada um de nós. Essa exigência diária de padrões, que abala a confiança de muitas pessoas, que acabam tentando se encaixar nos moldes. Mesmo com desejo enorme de assumir sua identidade e com esse afastamento do ser, cria-se uma bomba relógio na mente."

Ousadas e sem vergonha: as dez capas de disco mais picantes da história.

"Então, o + Cores surgiu da necessidade de visualmente dar um sentido a todos esses conflitos que todos nós passamos. E tentar mostrar a quem observa que somos todos diferentes, sim, e que é isso que nos faz fantásticos.”

Fotógrafo Daryan Dornelles se notabilizou ao registrar alguns dos maiores nomes das artes e cultura pop do Brasil.

O trabalho de Santos Braga e de outros fotógrafos, entre eles André Schiliró, Paulo Mancini, Luis Crispino, Marcelo Bormac, Nelson Kon, João Wainer, Rodrigo Bueno, Carol Vargas e Gianfranco Briceño, estão à venda na galeria ArtShot, no Morumbi Shopping, em São Paulo.