Frejat explica por que decidiu cantar “Ideologia” pela 1ª vez na carreira: “Encanava com uma frase da letra”

Clássica na voz de Cazuza, faixa cocomposta por Frejat passou a integrar o repertório da atual turnê do ex-vocalista e guitarrista do Barão Vermelho

Lucas Brêda Publicado em 21/05/2018, às 15h20 - Atualizado às 15h39

Frejat na Rolling Stone Music & Run
Fernando Pires

Frejat se apresentou no último sábado, 19, em mais uma edição paulistana da corrida de rua Rolling Stone Music & Run, com o show da atual turnê dele, chamada Tudo se Transforma. Uma das novidades no repertório da excursão é a música “Ideologia”, cocomposta por Frejat e que ficou conhecida após ser lançada como faixa-título do terceiro álbum solo de Cazuza, em 1988.

“Nunca tinha tocado ao vivo, nunca tinha colocado no meu repertório até essa turnê [iniciada no segundo semestre de 2017]. Na verdade, eu encanava com uma frase da letra – 'meus heróis morreram de overdose’ –, mas consegui resolver agora. Não tenho heróis, então como eu vou cantar que ‘meus heróis morreram de overdose’?”, explica Frejat, minutos depois do show na RS Music & Run, em entrevista exclusiva à Rolling Stone Brasil.

Frejat esquentou o coração dos paulistanos com um show cheio de hits na Rolling Stone Music & Run

Na versão de Frejat, o refrão de “Ideologia” passa a ser cantado como “Seus heróis morreram de overdose/ Meus inimigos estão no poder”. “Consegui resolver cantando ‘seus heróis’, fazendo analogia com ‘o garoto que queria mudar o mundo’. Eu não tenho heróis, não tenho relação de idolatria com ninguém. Mesmo as pessoas que eu mais admiro – seja na área humana, na história da civilização, ou na música, os guitarristas que adoro –, não tenho relação de idolatria com nenhum deles”, explica.

“O Cazuza, sim, ele tinha essa relação de idolatria, então ele se sentia muito à vontade de cantar”, segue o vocalista e guitarrista, recordando o finado companheiro de banda – e também parceiro na criação de “Ideologia” – nos anos 1980. “Já eu tive que ficar achando uma maneira de encaixar. Mas, agora que encontrei essa solução, estou tranquilão, posso cantar [essa música] pelo resto da vida [risos].”

Desde 2016, Frejat não integra mais o Barão Vermelho, e segue emendando turnês enquanto artista solo desde então. Outras novidades do show de Tudo se Transforma incluem os retornos de “Pense e Dance” e “Pedra, Flor e Espinho” aos setlists, um trecho em homenagem a Raul Seixas e uma música nova, que dá nome à excursão (lançada em 2017).