Funcionários da editora de J.K. Rowling fazem greve após polêmicas

Não é a primeira vez que a autora de Harry Potter se envolve em polêmicas

Redação Publicado em 17/06/2020, às 16h22

None
JK Rowling (Foto: Joel Ryan/AP)

Nas últimas semanas, J.K. Rowling, autora dos livros de Harry Potter, deu declarações polêmicas no Twitter e foi acusada de transfobia. Além dos fãs da saga, os funcionários da editora Hachette, que estão trabalhando no novo livro da autora, demostraram insatisfação com os comentários e declararam greve. 

+++LEIA MAIS: Daniel Radcliffe rebate comentários transfóbicos de J.K. Rowling: ‘Sinto que devo dizer algo’

Segundo reportado pelo Daily Mail, a empresa não está preparada para trabalhar no novo livro da autora, O Ickabog. 

"Acreditamos que todos têm o direito de expressar livremente suas crenças e pensamentos", informou a editora em um comunicado acrescentando que não obrigariam os funcionários a trabalhar em uma obra que possa causar incômodos por motivos pessoais. No entanto, enfatizaram de que existe "uma distinção em se recusar a trabalhar por discordar da opinião de um escritor".

+++LEIA MAIS: J.K. Rowling é atacada por transfobia no Twitter

No último dia 11, a autora de Harry Potterpublicou um desabafo no site dela em que revelou abuso e defende o direito de falar sobre questões trans (via Uol). 


+++ A PLAYLIST DO RUBEL