Gene Simmons revela título de faixas do novo álbum do Kiss

Baixista afirmou, ainda, que toda música válida "nasceu antes da MTV, dos celulares e da internet" - e deu um recado: "toda banda emo pode polir nossas botas!"

Da redação Publicado em 10/07/2009, às 11h46

Gene Simmons, o "demônio" do Kiss, revelou à agência de notícias Canadian Press títulos de faixas que aparecerão no primeiro álbum de estúdio da banda em 11 anos. "Russian Roulette", "Modern Day Delilah" e "Stand" farão parte do sucessor de Psycho Circus.

Dois detalhes o baixista e vocalista do grupo não quis revelar: o título do disco e a data de lançamento (a previsão é de que chegue às lojas no segundo semestre). Mas ele adiantou que o som do 19º trabalho de estúdio do Kiss - que liberou o primeiro álbum há 35 anos - vai ser livre de firulas. "Sem cordas, sem teclados, sem sintetizadores, sem tambores, sem nada. Apenas carne e batatas." A produção ficou a cargo do guitarrista e vocalista Paul Stanley.

O álbum dará ao guitarrista Tommy Thayer (que substituiu Ace Frehley no papel de "astronauta" do grupo) e ao baterista Eric Singer (ocupante do posto de Peter Criss, primeiro dono da maquiagem de gato) oportunidade de estrear como vocalista e compositor. Cada um escreveu e cantou faixa própria no disco.

A entrevista aconteceu um dia antes do início da turnê canadense, marcado para esta sexta, 10 (o show foi visto pelos brasileiros em abril). Os roqueiros norte-americanos, segundo Simmons, são capazes de se adaptar a qualquer palco - como as engenhocas "meio carro, meio robô" de Transformers, "com línguas bem maiores". "Nós podemos engrandecer ou diminuir; então, fisicamente... podemos fazer shows em arenas ou estádios."

O jornal Ottawa X Press também conversou com Simmons - que aproveitou para despejar sua descrença com a atual cena roqueira. "Nos últimos 25 anos, não surgiu banda que significará algo em 100 anos." Antes, sublinhou o baixista, os grandes nomes do gênero surgiam às pencas: Elvis Presley, Beatles, Rolling Stones, Led Zeppelin, ABBA e o próprio Kiss seriam bons exemplos. "Diga o que quiser, mas eles escreveram canções maravilhosas. Toda música feita de Elvis ao Kiss nasceu antes da MTV, dos celulares e da internet."

Simmons sintetizou sua opinião: "O Kiss dá duro - e toda banda emo, de 19 anos, pode polir nossas botas!".

O "demônio" do Kiss também comentou a morte de Michael Jackson. "Eu [o] conhecia e encontrei com ele. Era tímido e charmoso e auto-pretensioso e obviamente muito talentoso. [Para mim, a verdadeira história] tristemente é sobre os garotinhos - não teve uma garota sequer. Todos eles com menos de 13 anos, que o protestaram por assédio infantil. [Jackson] nunca foi condenado, mas sabemos que pagou US$ 20 milhões para abafar o caso. A história não está completa. Quero ouvir o que esses garotinhos têm a dizer."