Geo Eventos afirma que lista de nomes e CPFs que foi publicada na internet não tem a ver com o Lollapalooza e não são informações vazadas

Por meio da assessoria, a empresa afirmou que o site de compras é um ambiente seguro e também explicou o suposto problema de erro de página que direcionava para a compra de ingressos de jogo de futebol

Redação Publicado em 25/11/2011, às 14h15 - Atualizado às 17h17

Lollapalooza
Reprodução

A Geo Eventos esclareceu à Rolling Stone Brasil duas questões a respeito da venda de ingressos para o festival Lollapalooza. Conforme foi noticiado, os usuários encontraram diversas dificuldades, o sistema deu problemas, caía, estava lento e dava erro na hora de processar a compra. Contudo, por meio de sua assessoria de imprensa, a Geo explicou duas questões: sobre o suposto vazamento de informações dos clientes cadastrados e o erro de página que redirecionava para a venda de ingresso de um jogo de futebol.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

A primeira diz respeito a publicação de uma lista com CPFs que, teoricamente, eram dos cadastrados no site do Lollapalooza. No Twitter, um hacker que se chama de Vinícius K-Max afirmou que existiam falhas na segurança da página e que ele teria tido acesso a essas informações dos compradores de ingresso. A Geo afirma que “não há nenhuma relação entre esta lista e os clientes do Lollapalooza”. Leia abaixo a explicação a respeito da lista de dados publicada na internet:

“O relatório apresentado estava em ambiente de consulta no site. Esta lista era relativa às pessoas que tiveram seus lugares comprometidos em virtude da criação de um espaço para a imprensa em uma partida de futebol. Elas deveriam ser realocadas no estádio e, por isso, detectadas nos portões de acesso, sendo redirecionadas a um novo setor. Dados que claramente comprovam que a lista corresponde a um jogo de futebol, são os números como assentos, setores VIP e camarotes, características inexistentes no festival Lollapalooza Brasil. O acesso à lista só foi possível porque ela estava publicada em um endereço de consulta do site, para que os funcionários responsáveis pela realocação das pessoas tivessem como acessá-la via tablet na entrada do estádio.”

O outro ponto, sobre o problema de página que direcionava para a compra de ingressos de jogo de futebol, trata-se, na verdade, de erro do usuário, segundo a assessoria informou à reportagem.

“Ansiosos por comprar os ingressos do festival, [eles] podem ter alterado manualmente algum parâmetro na barra de endereços do site, modificando assim as informações do produto contidas na página de compra do Lollapalooza. Vale ressaltar que este tipo de manipulação de endereço altera somente o descritivo do produto na página, porém em nada afeta o conteúdo do carrinho ou os valores da compra.”