Google Play Music lança serviço gratuito e com anúncios

Empresa oferece 30 milhões de músicas em sua biblioteca, com playlists feitas por curadores para ocasiões específicas

Rolling Stone EUA Publicado em 24/06/2015, às 16h53 - Atualizado às 18h05

Interface do Google Play Music para desktop

Ver Galeria
(2 imagens)

O Google Play Music lançou uma versão gratuita e sustentada por anúncios do serviço de streaming da marca, que permite aos usuários navegarem por uma biblioteca de 30 milhões de músicas e ouvir playlists feitas por curadores para diversas ocasiões. O serviço já está disponível online e como aplicativo para aparelhos iOS e Android.

Dez maneiras inusitadas de se lançar um disco.

As playlists foram compiladas por “uma equipe de experts em música”, que inclui empregados da Songza, serviço de streaming e recomendação adquirida pelo Google em 2014. Os usuários podem se guiar por essas estações divididas por gênero, humor, década ou atividade, sendo esta última categoria posteriormente dividida em estações baseadas em gêneros.

O Google tem oferecido uma versão de assinatura sem anúncios do Google Play Music há algum tempo, permitindo que os usuários ouçam músicas off-line. Independente da versão paga, qualquer um pode fazer upload, armazenar e tocar até 50 mil músicas da própria coleção usando o Google Play de graça.

Entenda o Google Play Music.

Em uma postagem anunciando a nova versão do Google Play Music, a empresa gigante da internet anunciou o serviço de graça e com anúncios para “dar a vocês uma nova maneira de encontrar exatamente a música correta – e aos artistas uma nova maneira de adquirir receita”.

É uma distinção particularmente notável que vem dias depois de Taylor Swift criticar a Apple Music em carta aberta por não compensar os artistas durante as versões experimentais de três meses que a empresa oferecerá aos usuários.

Apple Music aposta "em rede social das celebridades"; fique por dentro do novo serviço de streaming.

A Apple rapidamente reverteu a decisão, esclarecendo o obstáculo que tem impedido as gravadoras independentes como XL e Matador de assinarem um acordo (saiba mais aqui)